Marcadores

quinta-feira, junho 28, 2012

LIMA DUARTE BIOGRAFIA


     Lima Duarte                          
  


Lima Duarte (nome artístico de Ariclenes Venâncio Martins, Sacramento, 29 de março de 1930) é um ator, diretor e dublador brasileiro. É considerado um dos mais importantes atores do Brasil, tornando-se famoso através de vários papéis memoráveis ao longo da história da telenovela brasileira.
É padrasto da atriz Débora Duarte e avô das também atrizes Paloma e Daniela Duarte e é torcedor do São Paulo Futebol Clube.

    O começo
Nascido no interior de Minas Gerais, num povoado chamado Nossa Senhora da Purificação do Desemboque e do Sagrado Sacramento, referido por ele como "Desemboque", distrito de Sacramento, chegou em São Paulo de carona num caminhão que transportava mangas.[1].
Filho do boiadeiro araguarino Antônio José Martins e de uma artista do circo América, Lima Duarte, cujo nome é Ariclenes Venâncio Martins, jamais se esqueceu de suas raízes, e viu na oportunidade uma forma de entrar em contato com a figura paterna. “Estar aqui na cidade (Araguari), para mim, é de certa forma encontrar-me com meu pai, com um passado que eu não tive oportunidade de conhecer. Tenho certeza que ele permanece vivo em meu coração e em minhas lembranças, das quais também fará parte.”
Começou a trabalhar em rádio, como faz-tudo, até chegar a sonoplasta e, finalmente, a radioator, quando adotou o nome artístico de Lima Duarte por sugestão de sua mãe, que era espírita e lhe aconselhou o nome de seu guia. Ingressou na televisão, da qual é um dos pioneiros no Brasil.
Esteve no elenco da primeira telenovela brasileira, Sua Vida Me Pertence, tornando-se um dos principais nomes do gênero.
Também fez dublagens em português de desenhos animados norte-americanos da Hanna-Barbera, como o Manda-Chuva, o Wally Gator, o Dum-Dum de Tartaruga Touché e o Hardy (de Lippy e Hardy), entre


outros 
Atuou em peças teatrais de protesto como Arena conta Zumbi de Augusto Boal e Gianfrancesco Guarnieri.
                         Televisão
Depois de anos na Rede Tupi  , tendo passado por grandes dificuldades financeiras devido ao caos da emissora, que acabou falindo, foi contratado pela Rede Globo como diretor, graças à fama obtida ao conduzir a telenovela Beto Rockfeller. Conseguiu dar um salto na carreira ao interpretar o personagem Zeca Diabo, na novela O Bem-Amado (1973), de Dias Gomes. Imitando a voz fina de um parente na interpretação do violento jagunço, obteve grande notoriedade e foi premiado, transformando esse personagem num dos maiores sucessos da história das telenovelas. Em 1984, substituiu Rolando Boldrin no programa Som Brasil, onde também contava histórias de escritores consagrados como Guimarães Rosa.


Outro personagem antológico da história da telenovela brasileira foi o Sinhozinho Malta de Roque Santeiro, novela escrita por Dias Gomes e Aguinaldo Silva. Houve também o histórico Sassá Mutema, de O Salvador da Pátria (1989). Assim como o seu personagem, também ele se apaixonou pela "professorinha" Clotilde, interpretada por Maitê Proença, mas não foi correspondido.
Em Da Cor do Pecado ele viveu o empresário Afonso Lambertini e protagonizou cenas emocionantes da trama, como a que descobre que o filho não morreu e que logo em seguida é assassinado na frente dele.
Interpretou ainda o prefeito Viriato Palhares em Desejo Proibido (2007/08), novela exibida às 18 horas pela Rede Globo. Em Caminho das Índias (2009), foi Shankar, um brâmane, pai de Bahuan (Márcio Garcia). Interpretou o vilão Max Martinez em Araguaia" (2010/11).



mais sobre lima duarte  http://www.museudatv.com.br/biografias/index.htm



Nossa Senhora da Purificação do Desemboque e do Sagrado Sacramento. Essa cidade de nome estranho e comprido, que fica no Triângulo Mineiro, viu nascer Lima Duarte, que como a cidade, também tem um nome diferente: Ariclenes Venâncio Martins. Era o dia 29 de março de 1930.
Descendente de dona de escravos e bugres, ajudava seu pai a cuidar da pequena invernada onde moravam, juntamente com a mãe e mais dois irmãos. O pai se chamava  Antônio Martins e a mãe, América Martins Sua mãe trabalhava em circo. Fazia circo-teatro, pois muitos circos montavam pecinhas, após a parte de malabarismos. 
Ali começou a paixão de Lima Duarte  pela arte. Seu primeiro papel, no circo, foi numa peça chamada "A Ladra", onde sua mãe fazia o papel-título e ele, o filho. Mas ele sonhava mais e aos  15, para 16 anos,  veio para São Paulo,capital, num caminhão de manga. De carona.Começou, como é  lógico, a trabalhar no Mercado Central da Cidade. Até que Madame Paulette, dona da casa onde morou durante 3 anos, levou-o à Rádio Tupi para um teste. Ele ficou muito feliz. Mas pelo seu modo caipira de falar, foi reprovado. Ganhou até um apelido:" voz de sovaco". 
Mas gostaram dele e ele ficou na casa trabalhando como operador de som. Depois como sonoplasta. E aí se transformou em tão bom sonoplasta, que ganhou todos os prêmios da época. Um dia, Oduvaldo Viana, que era diretor artístico da Rádio Difusora, o convidou para uma "fala" em uma radionovela. Deu certo. Foi então que mudou seu nome para Lima Duarte e teve início sua carreira 
Em rádio fez muitas novelas e foi ganhando treino. Passar para a televisão foi pura conseqüência.  Ele estava lá quando a TV Tupi de São Paulo, a pioneira, foi inaugurada. E na Tupi permaneceu durante 27 anos. Menino simpático e amigável, fez bastante amizade com os intelectuais da casa, entre eles Cassiano Gabus Mendes, Dionísio Azevedo, Walter George Durst.
E eles imaginaram  fazer o "TV de Vanguarda", que iria se constituir em uma peça inteira, de 3 atos, levada ao ar no domingo à noite, horário nobre. A primeira a ser montada  foi:  "O Julgamento de João Ninguém", direção e script de Dionísio Azevedo, tendo Lima Duarte no papel título. Foi a consagração de Lima. Daí para a frente , fez mais de 30 TVs de Vanguarda, entre 1952 e 1959, nos quais podemos destacar: "Hamlet", "Otelo", "Macbeth",  "O Homem que vendeu a Alma"; "O Inspetor Geral"; "De Ratos e de Homens"; "Massacre";  "Os Amantes de Verona";"O Chapeu de Três Bicos"; "O Lobo do Mar"; "O Grande Gabbo";  "Ralé"; e muitíssimos outros.
Lima Duarte sempre foi protagonista. Participou também de algumas novelas, entre as quais a primeira, que foi: "Sua Vida me Pertence", em 1951. Fez também "O Direito de Nascer" (1964), "A Gata" (1964), "Um Rosto Perdido" (1965), "Olhos Que Amei" (1965), "O Mestiço" (1965)"Calúnia" (1966) e "Paixão Proibida" (1967).
Em 1968  resolveu passar para a direção. Dirigiu a novela "Beto Rockfeller" junto de Walter Avancini, sucesso estrondoso de audiência. Esta foi a primeira trama a ter tomadas aéreas e a usar o merchandising em cena: era do medicamento "Engov", que o personagem principal interpretado por Luiz Gustavo tomava após exagerar nas doses de wisky.
Na sequência, se revezou entre atuar e dirigir as principais novelas da TV Tupi. Ainda em 1968, atuou em "O Décimo Mandamento" e dirigiu "O Rouxinol da Galiléia". Em 1970, dirigiu "Toninho on the Rocks" e atuou em "As Bruxas".  Entre 1971 e 1972, atou em "A Fábrica".
Foi então que, após quase três décadas na TV Tupi, transferiu-se para a TV Globo, ainda em 1972.  Estreiou dirigindo a novela "O Bofe", sua primeira e única experiência como diretor na emissora.
A partir de então, fez inúmeras novelas: "Os Ossos do Barão" (1973), "O Bem Amado" (1973), "O Rebu" (1974), "Pecado Capital" (1975), "Espelho Mágico" (1977), "Marrom Glacê" (1979), "Pai Herói" (1979), "O Bem Amado (seriado baseado na novela, exibido entre 1980 e 1984), "Paraíso" (1982), "Champagne" (1983), "Partido Alto" (1984), "Roque Santeiro" (1985),  "O Salvador da Pátria" (1989), "Meu Bem, Meu Mal" (1990), "Rainha da Sucata" (1990), "Pedra sobre Pedra" (1992), "Fera Ferida" (1993), "A Próxima Vítima" (1995), "O Fim do Mundo" (1996), "A Indomada" (1997), "Pecado Capital (1998, remake), "Corpo Dourado" (1998), "Uga Uga" (2000), "Porto dos Milagres" (2001), "Sabor da Paixão" (2002), "Senhora do Destino" (2004, participação especial), "Da Cor do Pecado" (2004), "Belíssima" (2005), "Desejo Proibido" (2007), "Caminho das Índias" (2009) e "Araguaia" (2010). 
Fez ainda:"O Tempo e o Vento" (1985, minissérie),  "Agosto" (1993, minissérie), diversos episódios do "Você Decide" (entre 1993 e 2000),  "Engraçadinha" (1995, minissérie), "O Auto da Compadecida" (1999,minissérie que também foi adaptada para o cinema),  "O Quinto dos Infernos" (2002,minissérie), "O Pequeno Alquimista" (2005,microssérie), "Amazônia - de Galvez a Chico Mendes" (2007), além de diversas participações especiais em outras novelas, seriados e afins.
Mas Lima Duarte atuou também em teatro. Fez peças. como: "Eles Não Usam Black-Tie", "Testamento de Cangaceiro", "Tartufo", "Arena Conta Zumbi" e  várias outras. Representou em Paris e Moscou.
Também fez   com muita aceitação por parte do público, cinema. Entre os 30 filmes dos quais participou, salientam-se :"Quase no Céu" (1949), "O Sobrado" (1954), "O Grande Momento" (1957) "O Rei Pelé" (1963), "Guerra Conjugal" (1974), "O Crime do Zé Bigorna" (1977),  "Sargento Getúlio" (1983), "Lua Cheia" (1987), "Corpo em Delito" (1988), "Boleiros - Era uma vez o Futebol" (1997), "A Ostra e o Vento" (1998) e "O Rio de Ouro" (1998, filme português).
No ano de 2000, foi convidado para fazer o filme:"Palavra e Utopia", sobre o padre  Antônio Vieira, e o ator tinha suas falas em latim. Ele aceitou e  fez o papel à perfeição.  Lima Duarte era o escolhido para ler os discursos de  Assis Chateaunbriand, que era o "big boss", quando este sofreu um grande derrame e não falava mais. Apenas escrevia seus textos em uma máquina  especial. 
Ainda no cinema, esteve em "Eu Tu Eles" (2000), "O Preço da Paz" (2003), "2 Filhos de Francisco" (2005), "Depois Daquele Baile" (2005), "Espelho Mágico" (2005) e "Boleiros 2 - Vencedores e Vencidos" (2006).
Em 2004, recebeu um prêmio especial pelo conjunto da obra no cinema (Troféu Oscarito), no Festiva de Cinema de Gramado.
Lima Duarte também foi apresentador de programas. Encabeçou "Som Brasil" durante 4 anos. Dentre todos os autores,pois ele é um autodidata que lê muito, o seu preferido é Guimarães Rosa, ou "o velho mestre, meu Alcorão, meu livro de todos os dias", como ele mesmo diz. Homem de muitos amores, Lima Duarte foi casado com Marisa Sanchez, com quem teve duas filhas: Mônica e Débora. A filha Débora e a neta Paloma também trabalham em televisão. Mônica é advogada de sucesso.
Também já atuou como dublador, dando voz a famosos personagens de desenho, como por exemplo: "Manda Chuva", "Pepe Legal", "Wally Gator" e  "Tartaruga Touché".
Ganhou  inúmeros  prêmios, entre eles sete Roquette-Pinto (incluindo o Roquette de Ouro, considerado o maior prêmio de televisão). E também prêmios no exterior. Por tudo isso, e com muita justiça, Lima Duarte é  tido como o maior ator brasileiro.
Lima Duarte  é autodidata, inteligente, sensível, charmoso, humano. Aquele que" transa o delírio e é pura paixão," segundo suas próprias palavras. É assim que ele  define sua verdade de sua vida.  Lima Duarte hoje mora em Indaiatuba, interior de São Paulo, e de lá saí para o trabalho, e para receber as homenagens e os prêmios, que incessantemente lhe são outorgados. No mais, fica feliz, em meio aos livros, e à família.

   Carreira

            Televisão
1951 — Sua Vida Me Pertence
1952 — Rosas para o Meu Amor
1952–59 — TV de Vanguarda (Tupi)
1954 - Casa de Bonecas - Pela TV Tupi, no programa TV de Vanguarda, atuou na peça de Henrik Ibsen ao lado de Lia de Aguiar, Guiomar Gonçalves, Suzi Arruda, Jaime Barcelos, Dionísio de Azevedo, Heitor de Andrade[4]..... Krogstad.
1954 — As Aventuras de Red Ringo
1954 — O Destino Desce de Elevador
1954 — Sangue na Terra .... Joviano
1955 — Posto Avançado .... Tomás
1955 — Engenho das Almas .... Belarmino
1955 — Caminhos Sem Fim .... Berto
1955 — Oliver Twist
1956 — E o Vento Levou
1957 — Lever no Espaço .... Geraldo Gomes
1958 — TV Teatro .... episódios "O Anel" e "Caixinha de Música"
1958–59 — TV de Comédia .... episódios "O Azar de Chico Fogueteiro" (58), "Era uma Vez um Vagabundo" (58) e "Não Saias Esta Noite" (59)
1962 — Cleópatra .... Júlio César
1964 — Gutierritos, o Drama dos Humildes .... Gutierritos
1964 — O Direito de Nascer
1964 — A Gata .... Barrabal
1965 — Um Rosto Perdido .... Cândido
1965 — Olhos que Amei .... Leopoldo
1965 — O Mestiço .... diretor
1966 — Os Irmãos Corsos
1966 — A Ré Misteriosa .... Fernando
1966 — Calúnia .... Moreira
1967 — Paixão Proibida .... Santa Maria
1968 — Beto Rockfeller .... Domingos / Duarte / Manoel Maria / Conde Wladimir / Secundino
1968 — O Rouxinol da Galiléia
1968 — O Décimo Mandamento .... Salvador
1970 — Toninho on the Rocks .... diretor
1970 — As Bruxas .... Michel
1971 — A Fábrica .... Pepê
1972 — O Bofe .... diretor
1973 — Os Ossos do Barão .... Egisto Ghirotto
1973 — O Bem-Amado .... Zeca Diabo
1973–78 — Caso Especial .... episódios "Duelo" (73), "O Capote" (73), "O Crime de Zé Bigorna" (74) e "O Homem que Veio do Céu" (78)
1974 — O Rebu .... Boneco
1975 — Pecado Capital .... Salviano Lisboa
1977 — Espelho Mágico .... Carijó
1979 — Marron Glacê .... Oscar
1979 — Pai Herói .... Malta Cajarana
1980–84 — O Bem-Amado .... Zeca Diabo
1982 — Paraíso .... João das Mortes
1983 — Champagne .... Raul
1984–89 — Som Brasil .... Ele mesmo (apresentador)
1984 — Partido Alto .... Cocada
1984 — Caso Verdade, Esperança .... Jacobino
1985 — Roque Santeiro .... Francisco Teixeira Malta, o "Sinhozinho" Malta
1985 — O Tempo e o Vento .... General Rafael Pinto Bandeira
1985 — Tenda dos Milagres .... Contador de Milagres
1989 — O Salvador da Pátria .... Sassá Mutema
1990 — Meu Bem, Meu Mal .... Dom Lázaro Venturini
1990 — Rainha da Sucata .... Onofre Pereira
1992 — Pedra sobre Pedra .... Murilo Pontes
1992 — Giras e Pirosas
1993 — Agosto .... Turco Velho
1993 — Fera Ferida .... Major Emiliano Cerqueira Bentes
1993 — O Mapa da Mina .... delegado
1993–00 — Você Decide .... episódios "O Juramento" (93), "O Sósia" (97), "Vida Dupla" (97), "O Príncipe da Feira" (99), "Fidelidade" (99) e "Uma Lição das Arábias" (00)
1995 — A Próxima Vítima (telenovela) .... Zé Bolacha (José Mestieri)
1995 — Engraçadinha... Seus Amores e Seus Pecados .... Druggist
1996 — O Fim do Mundo .... Coronel Ildásio Junqueira
1996 — Sai de Baixo .... episódios "Me Engana que eu Gosto" e "O Céu Pode Espernear"
1997 — A Indomada .... Murilo Pontes
1998 — Pecado Capital .... Tonho Alicate
1998 — Corpo Dourado .... Zé Paulo
1999 — O Auto da Compadecida .... bispo
2000 — Uga-Uga .... Nikos Karabastos
2001 — Porto dos Milagres .... Senador Vitório Vianna
2001 — Brava Gente .... Washington
2002 — Sabor da Paixão .... Miguel Maria Coelho
2002 — O Quinto dos Infernos .... Conde dos Arcos
2003 — Sítio do Picapau Amarelo .... João Melado de Oliveira Santos
2004 — Senhora do Destino .... Senador Vitório Vianna
2004 — Da Cor do Pecado .... Afonso Lambertini
2004 — O Pequeno Alquimista .... Filolal
2005 — Belíssima .... Murat Güney
2007 — Amazônia, de Galvez a Chico Mendes .... Bento
2007 — Desejo Proibido .... Viriato Palhares
2009 — Caminho das Índias .... Shankar
2009 — Chico e Amigos .... Diego Pepino
2010 — Araguaia .... Max Martinez
               Teatro
1961 - O Testamento do Cangaceiro
1961 — Os Fuzis da Senhora Carrar
1966 — Arena Conta Zumbi
1985 — Bonifácio Bulhões
 Cinema
1949 — Quase no Céu
1952 — Modelo 19
1955 — O Sobrado .... Gervásio
1957 — O Grande Momento
1957 — Paixão de Gaúcho
1958 — Chão Bruto
1963 — O Rei Pelé
1968 — Trilogia do Terror
1974 — Guerra Conjugal .... Osíris
1976 — O Jogo da Vida
1976 — Contos Eróticos .... episódio "O Arremate"
1976 — A Queda
1977 — O Crime do Zé Bigorna .... Zé Bigorna
1979 — Kilas, o Mau da Fita .... Major
1979 — O Menino Arco-Íris
1980 — Os Sete Gatinhos .... Noronha
1983 — Sargento Getúlio .... Getúlio
1987 — Lua Cheia .... Guimarães
1988 — Corpo em Delito .... Athos Moreira Brasil
1997 — Boleiros — Era uma Vez o Futebol .... Coach
1997 — A Ostra e o Vento .... José
1998 — O Rio de Ouro .... António
2000 — Palavra e Utopia .... Padre António Vieira
2000 — O Auto da Compadecida .... bispo
2000 — Eu Tu Eles .... Osias
2003 — O Preço da Paz .... Gumercindo Saraiva
2005 — 2 Filhos de Francisco .... Benedito
2005 — Depois Daquele Baile .... Freitas
2005 — Espelho Mágico .... Priest Clodel
2006 — A Ilha do Terrível Rapaterra .... Rapaterra
2006 — Boleiros 2 — Vencedores e Vencidos .... Edil
2011 — Assalto ao Banco Central .... Chico Amorim
2011 — Família Vende Tudo .... Ariclenes
 Prêmios e indicações

1953 — Prêmio Roquette Pinto .... melhor ator de televisão
1960 — Troféu Imprensa .... melhor ator em O Último dos Morungabos
1960 — Prêmio Roquette Pinto .... melhor ator de televisão
1961 — Prêmio Saci .... melhor ator pela peça O Testamento do Cangaceiro
1969 — Troféu Imprensa .... melhor diretor de telenovela em Beto Rockfeller
1973 — Troféu Imprensa .... revelação masculina em O Bem-Amado
1976 — Troféu Imprensa .... melhor ator em Pecado Capital
1977 — Prêmio APCA .... melhor ator de televisão em Pecado Capital
1977 — Festival de Brasília .... melhor ator em O Crime do Zé Bigorna
1978 — Prêmio APCA .... melhor ator de televisão em Espelho Mágico
1983 — Festival de Gramado .... melhor ator em Sargento Getúlio
1983 — Festival de Havana .... melhor ator em Sargento Getúlio
1984 — Prêmio APCA .... melhor ator de cinem em Sargento Getúlio
1985 — Troféu Imprensa .... melhor ator em Roque Santeiro
1986 — Prêmio APCA .... melhor ator de televisão em Roque Santeiro
1989 — Troféu Imprensa .... melhor ator em O Salvador da Pátria
1992 — Troféu Imprensa .... melhor ator em Pedra sobre Pedra
....... — Festival de Cannes .... menção honrosa em Eu Tu Eles
2000 — Festival de Veneza .... indicado como melhor ator em Palavra e Utopia
2001 — Prêmio APCA .... melhor ator de cinema em Eu Tu Eles
2004 — Festival de Gramado .... prêmio especial pelo conjunto da obra no cinema
2005 — Prêmio Contigo .... melhor ator coadjuvante em Da Cor do Pecado