Marcadores

sábado, setembro 10, 2016

BEIJOS E VULCÕES UM SONETO DE PABLO NERUDA


BEIJOS E VULCÕES
Não te toque a noite nem o ar nem a aurora,
só a terra, a virtude dos galhos,
as maças que crescem ouvindo a água pura,
o barro e as resinas de teu país fragrante.
Desde Quinchamalí de onde fizeram-se teus olhos
até teus pés criados para mim na Fronteira
é a greda escura que conosco:
em teus quadris toco de novo todo o trigo.
Talvez tu não o sabias, araucana,
que quando antes do amar-te me esqueci de teus beijos
meu coração ficou recordando tua boca
e fui como um ferido pelas ruas
até que compreendi que havia encontrado,
amor, meu território de beijos e vulcões.
PABLO NERUDA