Marcadores

quinta-feira, junho 02, 2016

A Parábola Do Rico Insensato

0
A Parabola Do Rico Insensato
a
page100output page100outputA page101output page101outputA page102output


A PARÁBOLA DO RICO INSENSATO
(Lucas, capítulo 12º, versículos 6 a 21)

       Havia um homem muito rico, que possuía mui­tas terras. Centenas de escravos trabalhavam nelas.
       Grandes e muitas eram as plantações de trigo. Muito bem preparados eram também os campos em que os escravos cuidavam da cultura do centeio, da cevada e da ervilhaca. Os vinhedos se estendiam pela planície imensa. E os pastos verdes, onde os reba­nhos se multiplicavam, iam até as montanhas dis­tantes...
       E cada vez mais o homem se enriquecia. Expor­tava seus produtos para os países vizinhos. Os mer­cadores de Tiro, de Sidon, de Esmirna e de Damasco estavam sempre em sua casa, realizando e combi­nando grandes negócios...
       O rico fazendeiro havia mandado construir gran­des depósitos para suas colheitas. Mas, os celeiros, embora enormes, já eram insuficientes para armaze­nar os frutos de seus campos de cultura...
       Um dia, ele pensou: “Que farei? Os celeiros já estão pequenos... Não tenho mais onde recolher tantos frutos...”
       E preocupado com suas colheitas, cada vez maio­res, resolveu derrubar os celeiros e construir outros muito maiores...
       Mandou chamar os melhores construtores do país e foram edificados vários celeiros gigantescos.
       E o grande agricultor ficou satisfeito quando contemplou, finalmente, as novas e imensas constru­ções em sua rica e bem cuidada fazenda. Agora estava tranqüilo. Os celeiros eram enormes e neles caberia toda a produção de seus campos...
Disse aos amigos, aos construtores e aos servos:
— Agora poderei viver tranqüilo muitos anos... Os celeiros podem armazenar todas as colheitas e tão cedo não será preciso aumentá-los. Posso agora, finalmente, viver sossegado e pensar somente na exportação dos produtos...
E à noite, muito satisfeito, antes de deitar-se, ao invés de orar, raciocinava e dizia a si mesmo: “O alma! Tens em depósito muitas riquezas, para mui­tos e muitos anos! Descanse, come, bebe, alegre­te.
E o rico deitou-se, muito orgulhoso de sua for­tuna, confundindo corpo e alma, tão grande era sua ignorância das coisas espirituais... Deitou-se sem um pensamento para Deus. Só imaginava que pode­ria, daquele dia em diante, viver sem preocupações, pois teria riquezas acumuladas para muitos anos...
Assim pensava o rico, mas, Deus pensava de outra maneira.
O rico pensava que era inteligente, mas, Deus achava que ele era simplesmente um homem sem juízo...
E nessa mesma noite, após a inauguração dos celeiros e os pensamentos de orgulho do rico, Deus disse: Insensato, esta noite tua alma será chamada; e o que tanto juntaste para quem será?
E sem que ninguém soubesse como, nem a que hora, nessa noite o rico morreu, sem um gemido e sem uma prece, no seu leito luxuoso...
Seus planos de tranqüilidade para o futuro fo­ram inúteis. Ele não sabia que o futuro pertence somente a Deus... De nada lhe valeram os celeiros recheados de frutos e cereais. Inútil foi juntar tanta riqueza, sem nunca haver pensado em Deus nem nas necessidades do próximo. Morreu sem fé e sem hu­mildade no coração. Suas riquezas de nada lhe va­leram na Pátria Espiritual, porque ele nunca as utilizou­ para o bem dos outros. O que tem valor na Eter­nidade ele não possuia, porque nunca havia juntado “tesouro no Céu”, mas, somente na terra...
“Assim é aquele — diz Jesus, terminando a Parábola — que, para si, junta tesouros e não é rico para com Deus

*

Compreendeu, filhinho, a Parábola do Rico In­sensato?
Ele era um homem avarento: só pensava em juntar riquezas materiais. Só se preocupava em au­mentar sua fortuna. Nunca pensou que pudesse ser chamado para a Eternidade, repentinamente. É que ele só confiava no dinheiro. Não pensava em Deus, nem na vida futura, nem nas necessidades dos po­bres e dos escravos de sua fazenda. O poder que governa o mundo está nas mãos de Deus, mas, ele pensava que estava na força do seu dinheiro.
Que resultou dessa insensatez, dessa grande falta de juizo? A morte o colheu de repente e seu espírito penetrou no Mundo Invisível nas piores con­dições, cego e sem luz. Sabe por que? Porque não se preparou espiritualmente para a existência no Além; porque, não havia bondade em seu coração, nem possuia fé em Deus, nem conhecia as leis da Vida Superior.
Triste destino, não acha?
Que a história do rico sem juízo e avarento mos­tre ao seu coraçãozinho, desde agora, aquilo que Jesus ensinou ao povo, quando contou esta parábola:
é preciso evitar toda a avareza, porque a vida de uma pessoa não consiste na abundância das coisas que possui.
       Que você, filhinho, aprenda a ser rico para com Deus. E há de ser, se em lugar da avareza, você cultivar a caridade; se em lugar de riquezas ilimitadas, você buscar enriquecer-se de conhecimento das leis divinas. Assim, você praticará a vontade de Deus, agora e mais tarde, quando você crescer...
Que você seja rico, muito rico mesmo, de fé, de humildade, de amor fraterno, de esperança, de Espírito de serviço, de pureza. Essa são as riquezas de Deus, que valem neste mundo e no mundo futuro — na Eternidade