Marcadores

quinta-feira, janeiro 31, 2013

Mônica(turma da monica)


Mônica
Mônica é uma personagem fictícia de histórias em quadrinhos brasileira, criada por Mauricio de Sousa em 1963 nas tiras de jornais de Cebolinha. Originalmente como coadjuvante, Mônica logo se tornou a principal personagem de Maurício junto com Cebolinha e passou a estrelar sua própria revista em 1970 publicada primeiro pela Editora Abril e atualmente pela Editora Panini. Os personagens de Mauricio de Sousa passaram a ser chamados de Turma da Mônica, tendo-lhe como protagonista na maioria das obras dos Estúdios Mauricio de Sousa.
Concepção e criação

Mauricio de Sousa baseou-se em sua filha homônima para criá-la, fato que se repetiu com outras personagens surgidas posteriormente. Seu papel original era como coadjuvante para Cebolinha, o protagonista original entre os primeiros personagens de Mauricio. Porém, seu público, como o próprio relata, "passou a coroa" para ela. Mauricio atribui parte do sucesso de Mônica ao fato de ela ser a primeira personagem feminina com papel de destaque dentre suas criações, que eram em maioria meninos.


 Mônica ganhou tanto espaço que acabou tendo sua própria revista em 1970, a primeira publicação infantil colorida em terras brasileiras.

Enquanto sua filha brincava com as irmãs, Mauricio aproveitava para estudar o comportamento dela. Quando sua irmã mais velha, Mariângela, que por sua vez inspirou Maria Cebolinha, lhe cortou os cabelos, deixou diversos caminhos-de-rato em sua cabeça, usados pelo pai para conceber o cabelo em gomos da personagem, que lembram bananas.

Imagem
Encontro de 'Mônicas': a 'real', filha de Maurício, abraça a personagem (centro), que entrou na puberdade em 2008, quando o desenhista lançou a 'Turma da Mônica Jovem'.


A menina era gorducha, dentuça e de baixa estatura, características que também foram transferidas para sua criação de forma caricata e exagerada, assim como sua personalidade forte e briguenta. Mauricio ainda observou que a filha utilizava roupas de cor vermelha com frequência e tinha muito apreço por um coelho de pelúcia. Ele fez com que sua personagem também apresentasse tais traços.
Com o passar dos anos, os traços de Mauricio evoluíram, mas Mônica manteve os dentes incisivos protuberantes e sempre usa vestidos de cor vermelha. Nas histórias, os personagens constantemente a ofendem com insultos relacionados à sua baixa estatura e ao seu excesso de peso, apesar de não apresentar diferenças visíveis com os outros personagens no estilo atual de desenho das publicações.
Em sua versão adolescente na publicação Turma da Mônica Jovem, a personagem aparece com peso e estatura normais, e seus dentes, apesar de ainda protuberantes, são menos caricatos do que em sua versão infantil. Ela também possui um indumentário mais extenso e que não se limita apenas ao vermelho.
Sinopse

Mônica é uma menina de sete anos que vive no Bairro do Limoeiro, local fictício que serve de cenário para a maioria das histórias que protagoniza. Ela vive com sua mãe Luísa Fernandes, uma dona de casa, e seu pai Sousa, que trabalha em uma companhia de negócios e tem sua aparência baseada no Mauricio de Sousa real. Quando foi criada, Mônica era irmã do personagem Zé Luis, mas na continuidade atual aboliu-se tal parentesco. Ela também tem um cachorro de estimação chamado Monicão, que divide diversas características físicas e comportamentais com sua dona. Monicão foi um presente de seus amigos Cebolinha e Cascão, numa tentativa frustrada de zombar da menina.
De gênio forte, Mônica não tem paciência para os apelidos que recebe das outras crianças por causa de sua aparência física e costuma responder a tais ações com sua extrema força bruta, muito superior à de uma menina de sua idade e até mesmo à de um ser humano comum. Mônica aplica tais "correções" em seus colegas com suas próprias mãos ou através de Sansão, um coelho azul de pelúcia que é muito querido por Mônica. Sansão é frequentemente roubado pelos meninos do bairro, que dão nós em suas orelhas para irritar a "dona da rua", título que ostenta e que é almejado por Cebolinha.
Apesar das provocações constantes que enfrenta, ela tem laços de amizade com a maioria das crianças do bairro, em especial com Magali, uma das poucas que não sofrem com o temperamento de Mônica. Normalmente geniosa, por vezes demonstra um comportamento mais dócil e feminino, e frequentemente se apaixona pelos meninos mais bonitos do bairro. Ela se mostra mais controlada e romântica quando adolescente em Turma da Mônica Jovem, mas em alguns momentos ainda deixa seu lado violento aflorar. Ela também nutre uma paixão correspondida por Cebola, com quem tanto brigava na infância.
Turma da Mônica Jovem

Nesta série Mônica agora é adolescente e possui 15 anos de idade. Diferente de antigamente Mônica não é mais incomodada pelos meninos por não ser mais baixinha e nem gorducha, mas continua com seus mesmos dentes grandes. Atualmente Mônica usa mais de uma roupa diferente de antes quando ela usava sempre as mesmas roupas, no entanto ela ainda possui sua super-força e seu coelhinho Sansão. Sua relação com Cebolinha (agora chamado de Cebola) consiste em mais namoros do que em brigas entre si.

Mônica é alegre, meiga e ainda um pouco dentucinha, mas é agora uma garota esbelta e muito bonita. Muito determinada, sempre indo até o fim quando quer algo. Parece ter uma boa amizade com Cebola, compensando os atritos entre os dois na infância, gerados por planos dele contra ela e coelhadas dela nele. Desta vez possuem uma amizade um tanto colorida, já que Mônica não esconde que é de fato apaixonada pelo Cebola, apesar que de vez em quando ainda suspira por outros garotos. Apesar de ainda ser geniosa, parece ter controlado isso conforme cresceu e se mostra mais calma e pensativa. Sempre está disposta a ajudar seus amigos e às vezes se esquece dela mesma por querer ajudar os outros.

Ainda discute com o Cebola, mas não esconde suas segundas intenções e dá sempre um jeitinho de se aproximar do "amigo", sempre lhe apoiando com todo amor. Morre de ciúmes quando Cebola fala com outras garotas, mas também adora provocá-lo, saindo com outros garotos na frente dele. Os dois já namoraram uma vez, na edição 34, porém não deu certo, mas Cebola acredita que se um dia derrotar a Mônica, finalmente ele estará à altura dela e eles poderiam namorar (mesmo que a própria Mônica considere que ele já está à altura dela). Parece ter uma quedinha pelo Do Contra.
Em uma edição descobre-se que Mônica descende de uma heroína portuguesa com o mesmo nome e aparência de sua mãe, que é uma encarnação passada da mesma e fazia parte da guarda pessoal de um imperador da época. A filha da heroína também se chamava Mônica e possuía força sobrehumana, o que indica que tal característica seja familiar.
Família da Mônica

 Dona Luisa Moreira Fernandes
É a mãe da Mônica, Dona de Casa. É cuidadosa com os afazeres domésticos, deixando a casa sempre impecável. Está sempre discordando de sua filha,quando o assunto é de que Mônica está gorda,baixa e dentuça.
 Seu Luís Rodolfo Castro de Sousa " Seu Sousa"
É o pai da Mônica, e se parece muito com Maurício de Sousa. É trabalhador, atencioso, compreensivo e carinhoso com sua família,. trabalha em uma companhia de negócios.
José Luís Fernandes de Sousa "Zé Luís"
Quando foi criado, Zé Luís era irmão da Mônica, mas na continuidade atual aboliu-se tal parentesco. É inteligente, usa óculos e está sempre estudando.
 Monicão

Monicão é o cachorrinho de estimação da Mônica. De cor marrom, divide diversas características físicas e comportamentais com sua dona. Monicão foi um presente de seus amigos Cebolinha e Cascão, numa tentativa frustrada de zombar da menina.
 Sansão

Coelhinho azul e inseparável da Mônica, ela anda com ele pra cima e pra baixo. A maioria das histórias, Mônica o usa como "arma" para dar coelhada nos meninos da rua que implicam com ela, principalmente Cebolinha e Cascão.Mais tarde, acaba ganhando uma namoradinha, uma coelhinha de pelúcia rosa de nome Dalila.
Nos Jogos Eletrônicos

Mônica também é a protagonista de seus jogos eletrônicos produzidos pela Tectoy na década de 90 para Master System e Mega Drive (todos adaptados da série Wonder Boy).
Na versão brasileira, Mônica usa seu Sansão como espadas e seus vestidinhos como armaduras sem contar que ela também pode carregar botas e escudos nas aventuras. Um fato curioso é que Mônica aparenta viver em outro mundo diferente dos apresentados nos quadrinhos, muito similar a uma época medieval, sem contar que seus pais nunca são apresentados nos jogos dando a impressão que ela é órfã pelo fato dela aparecer morando em uma casinha própria no começo do jogo Turma da Mônica na Terra dos Monstros.
É bem provável que a Mônica apresentada nestes jogos seja outra já que os jogos apesar de terem os mesmos personagens não possuem nenhuma ligação com os quadrinhos.
Recepção

Mônica é vista como uma das personagens mais importantes na história dos quadrinhos brasileiros em diversas mídias. Em 2007, a personagem recebeu o título de embaixadora da UNICEF por sua contribuição de quase 50 anos na transmissão de "valores como a amizade, a importância da educação, da convivência familiar e comunitária." A Representante do UNICEF no Brasil, Marie-Pierre Poirier, declarou que "Mônica ajudará o UNICEF a defender os direitos das crianças, usando uma linguagem que permitirá que as crianças entendam melhor seus direitos a educação, saúde, proteção e carinho".

terça-feira, janeiro 29, 2013

BIOGRAFIA WALTER BASSO(MUSICO)

Walter Basso
Nascido em 1952, em Concórdia (SC), Walter Basso mudou-se para Marechal Cândido Rondon aos seis anos de idade.  Filho de Elfrida Gasnke e Guilherme Guerino Basso, começou a trabalhar em 1968 na Rádio Difusora como sonoplasta, mas exerceu diversas funções durante o tempo em que esteve ligado à emissora.
Ainda quando era criança, Walter Basso sempre demonstrou muito interesse pela música, fazendo muito sucesso em bailes de todo o Sul do país com o grupo Os Fronteiristas, que já no início da década de 1970 viria a se chamar Os Wikings.

Em 1972, o conjunto gravou em de São Paulo um compacto duplo, o qual trazia a canção “Castelo de Sonhos”, que cinco anos depois iria abrir os caminhos para um contrato com uma grande gravadora da capital paulista.
Despontava então nas paradas musicais a faixa “Castelo de Sonhos”, sucesso em todo o Brasil que foi regravada em 25 versões em português e até em espanhol, por nomes de destaque como Pedro Bento & Zé da Estrada.

Toda esta repercussão positiva lhe garantiu o disco de ouro pela venda de um milhão de cópias, recebido ao vivo no “Programa do Bolinha”, capitaneado pelo apresentador Edson Cury.


Walter Basso casou com Adiles Maria, com quem teve os filhos Giuliano, Graziele e Walter Lucas, tendo vendido em 1989 a marca de seu conjunto, porém sem deixar de se dedicar à carreira solo.

Ao todo, Walter Basso gravou seis álbuns (LP) e oito compactos entre simples e duplos. Na era do CD, editou ainda três outros trabalhos e atualmente está com outros dois CDs em fase de remasterização.
Por ocasião da comemoração dos 50 anos de carreira e 35 anos da conquista do disco de ouro, Walter Basso foi convidado para fazer o grande show da 52ª edição da ExpoRondon e Festa Nacional do Boi no Rolete, reunindo milhares de pessoas num dos maiores públicos da história do evento.


aqui ele aparece no conjunto os vikings no qual fazia parte  na decada de 70

HOMENAGEM 27/06/2012 10h46
Projeto para homenagear Walter Basso com o título de Cidadão Honorário tramita na Câmara
Projeto de Decreto Legislativo é assinado pelos 9 vereadores de Marechal Cândido Rondon
Está tramitando na Câmara Municipal de Marechal Cândido Rondon um Projeto de Decreto Legislativo para homenagear o cantor rondonense Walter Basso com a entrega do título de Cidadão Honorário. O projeto de iniciativa do vereador Ilario Hofstaetter, o Ila, que leva a assinatura de todos os vereadores, foi apresentado na sessão ordinária desta terça-feira (26).

Conhecido nacionalmente pelos diversos trabalhos de sucesso, Walter Basso é o artista musical de maior destaque e expressão da história do município de Marechal Cândido Rondon.


Natural de Concórdia, Santa Catarina, mudou-se com a família para Marechal Cândido Rondon em 1961, na época com 9 anos de idade.

Desde muito cedo chamava atenção o talento musical, que passou a explorar profissionalmente no final dos anos 60, integrando o grupo musical Os Fronteiristas, que mais tarde passou a se chamar de Os Vikings. Em 1972 o grupo gravou um compacto duplo, sendo que uma das canções, "Castelo de Sonhos", composição de Walter Basso, foi o grande destaque.
Com o sucesso, Walter Basso foi convidado pela gravadora Scala para gravar um disco solo e, apenas seis meses após o lançamento, o compacto simples, já alcançava os primeiros lugares em vendagem em todo o Brasil, recebendo Disco de Ouro por ter vendido mais de 1 milhão de cópias.
A música Castelo de Sonhos já tem 23 regravações e vendeu mais de 5 milhões de discos, e o cantor Walter Basso tornou-se ídolo em diversos lugares do país, sendo um dos primeiros artistas a divulgar, difundir e propagar o nome do município de Marechal Cândido Rondon em todo o Brasil.

Conforme o vereador Ila, idealizador da homenagem, o fato do projeto ter sido assinado por todos os vereadores é uma clara demonstração do imenso carinho e orgulho de todos pelo artista maior de nossa cidade. 

A HISTORIA DO NAZARETH(BANDA DE ROCK)


   Nazareth
Nazareth é uma banda de rock escocesa. Formada na cidade de Dunfermline, nos anos 1960 pelo vocalista Dan McCafferty, o guitarrista Manny Charlton, o baixista Pete Agnew e o baterista Darrell Sweet, a banda teve vários sucessos, entre eles a composição de Felice e Boudleaux Bryant, "Love Hurts", nos anos 1970.

     As origens
As origens do Nazareth remontam a 1961, ano em que Pete Agnew fundou o "The Shadettes". A primeira formação deste grupo foi: Pete Agnew (guitarra e vocal), Brian 'Pye' Brady (guitarra), Alfie Murray (guitarra), Alan Fraser (bateria) e Bobby Spence (baixo).
O grupo ganhou consistência, nos anos de 1964 e 1965, com a chegada de Darrel Sweet e Dan McCafferty. Em 1968, dois acontecimentos muito importantes na história da banda: o ingresso do lendário guitarrista Manny Charlton e a mudança do nome para Nazareth.
Até então o grupo limitava-se a fazer covers; porém, com Manny integrado ao grupo, os escoceses passaram a compor material próprio.

O auge
Após a mudança para Londres, lançaram seu primeiro disco, chamado Nazareth, em 1971. Em 1972 chamaram a atenção no mundo da música com o seu segundo álbum - Exercises -, o trabalho mais leve já realizado pela banda.
Em 1973, a banda procurava por um produtor para seu próximo álbum, que haveria de ter um som bem mais pesado que o anterior. A escolha não poderia ter sido melhor: Roger Glover. Segundo Dan McCafferty, "Roger Glover acabou envolvendo-se naquele álbum, pois o Nazareth estava abrindo para o Deep Purple na parte inglesa da turnê. Estávamos procurando um produtor, e então tocamos nossas Demos para o Roger, que obviamente já havia nos visto ao vivo. Ele gostou do material e fomos para o estúdio. Tudo foi muito simples, pois todos sabíamos o que queríamos dentro da banda, e o Roger, por estar em turnê conosco, também sabia.

Gravamos tudo em duas semanas, e tínhamos que fazer duas músicas por dia (risos). Teve que ser um trabalho bem objetivo!" (trecho de entrevista publicada na revista Roadie Crew, edição n° 76 - maio/2005 - com reportagem de Claudio Vicentim e fotos de Ricardo Zupa). Assim, surgiu Razamanaz, que lançou o Nazareth ao estrelato e culminou com duas músicas qualificadas entre as dez mais tocadas no Reino Unido - "Broken Down Angel" e "Bad Bad Boy".
Nazareth2
Os dois álbuns que se seguiram, Loud 'N' Proud e Rampant, também foram produzidos por Glover, mas o sucesso foi um pouco menor.
O mais famoso álbum do Nazareth, Hair of the Dog, foi produzido pela própria banda e surgiu em 1975, sendo um marco para o Rock dos anos 70. Sua interpretação da música dos Everly Brothers "Love Hurts" resultou em disco de platina nos Estados Unidos e teve sucesso similar no Reino Unido. A este se seguiram uma série de álbuns que estão no Top 100 do Billboard 200.
Em 1978, o guitarrista Zal Cleminson (Sensational Alex Harvey Band) juntou-se ao grupo, gravando apenas dois álbuns com o Nazareth. Zal, todavia, deixou sua marca: seu dueto com Manny Charlton no álbum No Mean City é até hoje lembrado como um dos melhores trabalhos com guitarras já realizados em estúdio. Zal foi substituído por Billy Rankin, na época com apenas 19 anos.
Vinyl records collectors
 Um período difícil
Nos anos 80, o sucesso da banda já não era mais o mesmo, mas eles continuaram na estrada, procurando novos caminhos para o grupo. Em 1981 gravaram o festejado "Snaz", álbum originado de um show realizado pelos escoceses em Vancouver, Canadá, no dia 13 de maio daquele ano.
O álbum "2XS", de 1982, trouxe as faixas "Love Leads To Madness" e "Dream On", que marcaram o retorno do Nazareth às rádios do mundo inteiro. A primeira delas, inclusive, foi um grande sucesso da trilha sonora da novela global "Sol de Verão". Porém, nos dois álbuns 

Vinyl records collectors
seguintes (Sound Elixir e The Catch), a banda recebeu fortes críticas, sendo acusada de deixar um pouco de lado o rock and roll e se dedicar a um som mais pop. A balada "Where Are You Now?" foi o único hit deste período conturbado. Billy saiu da banda em 1983 e o Nazareth voltou, assim, ao seu quarteto original.
O álbum Cinema (1986) trouxe de volta ao repertório da banda o seu rock competente, mas isso não foi suficiente para resgatar o grande sucesso dos anos 70.

Dan McCafferty


                                                                                          O início da recuperação
Em 1990 foi a vez de Manny Charlton deixar a banda, para dedicar-se à carreira de produtor. Com isto, Billy Rankin foi chamado novamente, desta vez com a difícil tarefa de substituir um mito. Muitos pensaram que a saída de Manny colocaria um ponto final na carreira do Nazareth, mas o amor ao rock levou os escoceses a continuarem na estrada. Billy, por sua vez, mostrou-se à altura do cargo. No ano de 1992, o álbum No Jive foi muito bem recebido e devolveu ao Nazareth parte do prestígio que havia sido abalado nos anos 80. Em dezembro de 1994, Billy deixou o Nazareth pela segunda vez e Jimmy Murrison foi escolhido como substituto.

Em 1995, a banda teve o ingresso, como tecladista, do experiente músico Ronnie Leahy. No ano de 1998 surge o álbum Boogaloo, pouco divulgado, mas certamente um dos melhores álbuns já lançados pela banda.
Em 30 de abril de 1999 ocorre o inesperado: o baterista Darrel Sweet falece, vítima de um fulminante ataque cardíaco, minutos antes de um show que a banda realizaria nos Estados Unidos, na primeira parte da turnê de divulgação deste novo trabalho. Após uma pequena pausa de alguns meses para absorver o duro golpe pela morte do amigo, os veteranos escoceses encontraram forças para voltar à estrada. Pete chamou seu filho Lee Agnew, que era roadie da bateria de Darrel, para substituí-lo: o Nazareth estava de volta para continuar a turnê do álbum Boogaloo.

 Nazareth no século XXI: rock e maturidade
Em 2002 lançaram seu primeiro DVD gravado ao vivo - Homecoming - onde os talentosos músicos da banda mostram que continuam em plena forma.
Em 2003, Ronnie resolve sair do grupo e o Nazareth volta a ter o line-up tradicional: vocal, guitarra, baixo e bateria.
Os DVD's From The Beginning e Live From Classic T Stage foram lançados no ano de 2005 e retratam dois momentos distintos da carreira da banda: o primeiro traz várias passagens dos anos 70 e o segundo foi gravado no mesmo ano de seu lançamento, em Londres.
Em 4 de agosto de 2006, mais um duro golpe para os escoceses: faleceu John Locke, ex-tecladista da banda, aos 62 anos, vítima de câncer.

O Nazareth é hoje considerado uma das bandas mais influentes no cenário do rock, sobretudo entre aquelas que ainda continuam em atividade. Seu rock vitorioso persiste, apesar das muitas dificuldades encontradas pelo caminho. A trajetória de sucesso destes escoceses tem sido atualmente considerada um ótimo exemplo para os músicos que estão em início de carreira, bem como para aqueles que sentem-se desestimulados após alguns fracassos na busca do sucesso. O motivo é que os veteranos Dan McCafferty e Pete Agnew jamais desanimaram diante das adversidades encontradas, enfrentando-as sempre com muita garra e amor ao trabalho que exercem.

 "The Newz", o novo álbum

A longa carreira do Nazareth, ao que parece, não acabará tão cedo: após realizar incansáveis turnês ao redor do mundo, o grupo fez uma breve pausa nas apresentações e gravou, durante o mês de setembro de 2007, um novo CD de inéditas,  lançado no Brasil no mês de junho de 2008. As gravações foram realizadas no lendário Powerplaystudio, em Zurique, na Suíça.
O novo álbum de estúdio do Nazareth, intitulado "The Newz", é o 21º da carreira da banda e conta com 13 faixas inéditas: Goin' Loco, Day At The Beach, Liar, See Me, Enough Love, Warning, Mean Streets, Road Trip, Gloria, Keep On Travellin', Loggin' On, The Gathering e Dying Breed,  além da "hidden track" Goblin King. "The Newz" foi produzido pelo jovem talento Yann Rouiller e é o primeiro álbum de inéditas do Nazareth desde Boogaloo, lançado em 1998.
Todo o processo de gravação do novo CD foi filmado e resultará no lançamento de um DVD histórico, mostrando todos detalhes dos ensaios e dos ajustes finais das novas músicas do Nazareth.
Nazareth,Razamanaz,UK,Deleted,LP RECORD,161211
     As turnês no Brasil
O Nazareth excursionou por terras tupiniquins em diversas oportunidades.
A primeira delas foi em dezembro de 1990, época em que a formação da banda era: Dan McCafferty (vocal), Pete Agnew (baixo/vocais), Billy Rankin (guitarra) e Darrel Sweet (bateria). Na cidade de São Paulo fizeram shows no extinto Dama Xoc e, no mesmo final de semana, foram a atração internacional da festa comemorativa dos 5 anos da Rádio 89 FM.

 Apresentaram-se também em Santos, no extinto Caiçara Music Hall.
A banda retornou em setembro de 1995, com a mesma formação da turnê de 1990, desta vez dividindo o palco com seus amigos do Uriah Heep. Esta foi a turnê de divulgação do álbum Move Me, trabalho que deve ser creditado em boa parte ao guitarrista Billy Rankin, que compôs a maioria das músicas.

No final de maio do ano de 2004, uma nova turnê brasileira, sendo que o grupo já contava com seu line-up atual. Nesta oportunidade, os escoceses fizeram na casa de shows Olympia (SP) aquela que havia sido, provavelmente, a melhor apresentação da banda no Brasil, sendo muito elogiados por público e crítica. Além de São Paulo, Salvador (BA) e Tubarão (SC) também tiveram a oportunidade de ver a lenda viva do rock and roll.

Entretanto, a quarta turnê brasileira do Nazareth, realizada em 2007, superou em muito as expectativas. O guitarrista Jimmy Murison e o baterista Lee Agnew evoluíram muito, enquanto Dan e Pete provaram que são como vinho: quanto mais velhos, melhores. A turnê contou com as seguintes apresentações: Porto Alegre (18/04), Curitiba (19/04), Florianópolis (20/04) e São Bernardo do Campo (21/04). Os shows de Curitiba e São Bernardo foram gravados, sendo que o show realizado em Curitiba resultou no DVD e nos CDs "Nazareth - Live in Brazil", lançados no mês de setembro.

Os veteranos escoceses retornaram ao Brasil em 2008, durante a turnê de celebração dos 40 anos de carreira do grupo.
E voltaram em 2009, no mes de junho, se apresentando apenas no Paraná.
Em 2010, a banda escocesa voltou ao país e se apresentou na cidade de Criciúma no extremo sul catarinense. Após problemas de extravio de bagagem os produtores da banda foram às compras na cidade, e com isso o vocalista da banda se apresentou com uma camiseta da marca local, Rock City. No momento do show, o vocalista agradeceu em inglês a uma das sócias da loja.
Em Novembro de 2011, novas apresentações pelo Sul do País, em cidades do Paraná e Santa Catarina, como União da Vitória e Blumenau, respectivamente .
Para Fevereiro de 2012, segundo o site oficial da banda, novas apresentações no Brasil, em cidades do Nordeste e Sudeste.

  A turnê comemorativa dos 40 anos de Nazareth

Em 2008, o quarteto escocês, que completa 40 anos ininterruptos de existência, está fazendo uma turnê comemorativa. Para esta turnê, a banda agendou vários shows no Brasil, os quais foram realizados no mês de maio. As cidades brasileiras que receberam a visita dos escoceses nesta oportunidade foram: Maringá, Cascavel, Fortaleza, Joinville, Foz do Iguaçu, Ponta Grossa, São Paulo, Curitiba, Londrina (30/05) e Tubarão. Em dois shows da turnê, o mito Dan McCafferty soube muito bem explorar o que o Brasil tem de melhor: o futebol.

Numa junção entre Rock and Roll e a modalidade esportiva, o vocalista do Nazareth subiu ao palco vestindo as camisas de clubes locais. O primeiro foi em Ponta Grossa/PR, com a camisa do Operário Ferroviário E.C. Em outro show da banda, Dan McCafferty vestiu a camisa do Atlético Tubarão da cidade de Tubarão/SC. Os fãs-torcedores foram ao delírio.
Segundo o site oficial do quarteto escocês,  a banda retornará à América Latina no mês de dezembro, ocasião em que poderá realizar novas apresentações em terras tupiniquins.

    Discografia

1971 - Nazareth
1972 - BBC Radio 1 Live in Concert (ao vivo)
1972 - Exercises
1973 - Razamanaz
1973 - Loud 'N' Proud
1974 - Rampant
1975 - Hair of the Dog
1975 - Greatest Hits
1976 - Close Enough for Rock 'n' Roll
1976 - Hot Tracks (compilação)
1976 - Play 'N' the Game
1977 - Expect No Mercy
1979 - No Mean City
1980 - Malice in Wonderland
1981 - The Fool Circle
1981 - Snaz (ao vivo)
nazareth73



1982 - 2XS
1983 - Sound Elixir
1984 - The Catch
1986 - Cinema
1989 - Snakes 'N' Ladders
1991 - No Jive
1993 - From The Vaults
1994 - Move Me
1995 - Snaz (live)
1995 - Move Me
1998 - Boogaloo
1998 - Live at the Beeb (ao vivo)
2001 - Back To The Trenches
2001 - The Very Best Of
2002 - Homecoming (ao vivo)
2003 - Alive and Kicking
2004 - Nazareth (relançamento)

2004 - Exercises (relançamento)
2004 - Razamanaz (relançamento)
2004 - Loud 'N' Proud (relançamento)
2004 - Rampant (relançamento)
2004 - Hair Of The Dog (relançamento)
2004 - Snaz- ao vivo (relançamento)
2004 - Sound Elixir (relançamento)
2004 - Cinema (relançamento)
2004 - No Jive (relançamento)
2005 - Back To The Trenches (ao vivo - álbum duplo)
2006 - Hair of the Dog (relançamento)

2006 - 2XS (relançamento)
2006 - The Catch (relançamento)
2006 - Razamanaz (relançamento)
2006 - Nazareth (relançamento)
2006 - Cinema (relançamento)
2007 - Nazareth Live in Brazil - parte 1
2007 - Nazareth Live in Brazil - parte 2
2008 - The Newz
2009 - The Anthology
- Hair of the Dog Live
2010 - Big Dogz

  Videografia

1981 - Live in Texas (VHS)
1985 - Razamanaz - Live in London (VHS)
2001 - Homecoming - Live in Glasgow (DVD)
2002 - Razamanaz - Live in London 1985 (Versão em DVD)
2002 - Live in Texas 1981 (Versão em DVD)
2002 - Homecoming - The greatest hits live in Glasgow (DVD)
2005 - From The Beginning (DVD)
2005 - Live From Classic T Stage (DVD)
2005 - Naza'Live Scottish TV 1981 (DVD)
2007 - Nazareth Live in Brazil 2007(DVD)

 Turnês

Razamanaz Tour (1973)
Loud N'Proud (1973 - 1974)
Rampant Tour (1974 - 1975)
Hair of the Dog (1975 - 1976)
Close Enough Tour (1976 - 1977)
Play n'the Game Tour (1977 - 1978)
Expect No Mercy (1977 - 1978)
No Mean City Tour (1979)
Malice In Wonderland (1980)
The Fool Circle (1981 - 1982)
2XS Tour (1982 - 1983)

Sound Elixir Tour (1983 - 1984)
The Catch Tour (1984 - 1985)
Cinema Tour (1986 - 1988)
Sneakers Tour (1990 - 1991)
No Jive Tour (1991 - 1992)
Move Me Tour (1994 - 1995)
Boogaloo Tour (1998 - 1999)
The News Tour (2008 - 2009)

Todas as formações do Nazareth
Fase I
(1968-1978)
Fase II
(1978-1980)
Fase III
(1980-1983)
Fase IV
(1983-1990)
Fase V
(1990-1994)
Fase VI
(1994-1999)
Fase VII
(1999-2003)
Fase VIII
(2003 até os dias atuais)

nazareth-catch-01
nazareth-catch-02
Nazareth-GoldCollectionCD1_FRONT
Vinyl records collectors
show_nazareth1
697e6d0ade679ef161e57ac362d
3139244-nazareth
132517620_11n
BlogForever1Blog