Marcadores

sexta-feira, novembro 30, 2012

A HISTORIA DO DEPECHE MODE(BANDA DE MUSICA ELETRONICA)

 Depeche Mode
Depeche Mode é uma banda inglesa de música eletrônica formada em 1980 em Essex, Inglaterra. A banda era inicialmente formada por David Gahan (vocalista), Martin L. Gore (tecladista, guitarrista, vocalista e compositor a partir de 1981), Andrew Fletcher (tecladista) e Vince Clarke (tecladista e compositor de 1980 a 1981). Vince Clarke deixou a banda após o lançamento do álbum de estréia em 1981, tendo formado os duos Yazoo e Erasure. Foi substituído por Alan Wilder, membro de 1982 a 1995. Após a saída de Wilder, o Depeche Mode continuou a carreira como um trio.
Hoje é considerado uma enorme influência para diversas bandas de pop e rock atuais como Smashing Pumpkins, Linkin Park, Lacuna Coil e Deftones. Possuindo também uma lista de fãs ilustres como Marilyn Manson, Trent Reznor (do Nine Inch Nails), Scott Weiland, Amy Lee, Robert Smith, Tori Amos, Shakira, Lady GaGa, The Ting Tings e Johnny Cash.
Em 2009, era estimado que a banda já havia vendido mais de 110 milhões de cópias em todo o mundo. A banda teve 44 canções nas paradas britânicas e já esteve mais vezes que qualquer outro artista entre os 40 mais ouvidos no Reino Unido a alcançar o primeiro lugar. Também é reconhecido por suas técnicas de gravação e o inovador uso de samplers.

Ficheiro:DaveGahanbyNOA-HASSIN.JPG

Dave Gahan


  História

                   Depeche Mode no fim da década de 70: De bandas de Folk ao primeiro sintetizador
A origem do Depeche Mode inclui diversas bandas e músicos. O primeiro passo foi em 1977, quando Vince Clarke conheceu Andrew Fletcher e formaram juntos a banda chamada No Romance in China, com Vince nos vocais e guitarra e Andrew Fletcher no baixo.
Em 1978, Vince Clarke era guitarrista no The Plan, com o amigo de escola Robert Marlow nos vocais.
Entre 1978 e 1979, Martin L. Gore era parte de uma dupla acústica chamada Norman and the Worms, com o também amigo de escola Philip Burdett (atualmente, um cantor de música folk) nos vocais e Martin responsável pelo violão.


Martin Gore


Em 1979, com Robert Marlow nos vocais e teclados, Martin L. Gore na guitarra, Vince Clarke e Paul Redmond nos teclados, o grupo formou a banda The French Look.
Em março de 1980, Vince, Martin e Andrew montaram a banda chamada Composition of Sound, na qual Vince era o vocalista.
The French Look e Composition of Sound chegaram a tocar juntos em junho de 1980 em uma escola chamada St. Nicholas School Youth Club, em Essex.
Logo após a formação da Composition of Sound, Vince e Andrew passaram a usar sintetizadores (faziam todo tipo de "bico" possível para conseguir dinheiro para comprá-los ou conseguiam emprestados com amigos).

A entrada de David Gahan no grupo em 1980 só aconteceu depois que Vince o ouviu cantando em uma jam session fazendo uma versão da canção Heroes do David Bowie. A partir da presença de Gahan, o Depeche Mode passou a existir.

Ficheiro:Andy Fletcher t.jpg

Andrew Fletcher


 1980-1984: Do sucesso inesperado ao industrial obscuro
O nome Depeche Mode foi baseado em uma revista francesa de moda chamada Dépêche mode que Dave Gahan costumava ler, já que antes de seguir a carreira de cantor, ele estudava para ser estilista. Explicando a escolha do novo nome, Martin Gore disse, "Ele significa a moda apressada ou a moda despacho. Eu gosto do som disto". 
A tradução do termo gera polêmicas, mas ao pé da letra significa "Despacho de Moda" - sendo que a palavra despacho pode ser interpretada de diversas maneiras, como notícia de extrema importância ou como algo feito com muita rapidez - gerando diversas traduções, por exemplo, "Moda Passageira", "Última Moda", "Moda Rápida" entre outras.


 Vince Clarke and Martin Gore

Durante uma apresentação em uma casa de shows de Londres, a banda foi abordada por Daniel Miller, um músico do gênero eletrônico e fundador da renomada Mute Records, que estava interessado em gravar um single pelo seu emergente selo. O resultado deste contato foi "Dreaming of Me", lançado em 1981, que alcançou a posição nº 57 nas paradas inglesas.
Encorajados pelo surpreendente sucesso, a banda gravou um segundo single chamado "New Life", atingindo a posição nº 11. Três meses depois, a banda lançou "Just Can't Get Enough" – o primeiro que entrou nos 10 mais da parada britânica, ficando em 8º lugar. A canção título do single também fez grande sucesso no Brasil, inclusive como trilha da novela Louco Amor, Rede Globo (1983). Este disco foi de várias formas um marco para a banda e seu sucesso abriu o caminho para o primeiro álbum – Speak & Spell, de novembro de 1981, que também chegou ao Top 10.


Alan Wilder


Segundo uma crítica no Melody Maker (jornal britânico especializado em música), era um ótimo álbum, um que teve de ser feito para conquistar novos públicos e satisfazer o público que “just can't get enough”- simplesmente insaciável.
Durante a turnê e divulgação do Speak & Spell, Vince Clarke passou a declarar um desconforto com o rumo que a banda estava tomando, “não há tempo de fazer nada”  . No fim de 1981, Clarke anunciou publicamente que estava deixando o Depeche Mode e, em seguida, se juntou a Alison Moyet para formar o Yazoo (depois, em 1985, formou o Erasure com Andy Bell). Com a saída do principal compositor, o Depeche Mode precisava de uma nova direção. Martin L. Gore, que já havia escrito "Tora! Tora! Tora!" e "Big Muff", assumiu a função.

Em 1982, a banda lançou "See You", primeiro single sem Clarke, e que, contra todas as expectativas, ultrapassou os sucessos anteriores atingindo a 6ª posição nas paradas do Reino Unido. No mesmo ano, dois outros singles foram lançados, "The Meaning of Love" e "Leave in Silence", e a banda embarcou em sua primeira turnê mundial – See You Tour. Em setembro, o segundo álbum foi lançado, A Broken Frame, com resquícios da passagem de Clarke pela banda, mas já apresentando um pouco do que a banda se tornaria nos anos seguintes.
Durante o início das gravações de A Broken Frame, a banda percebeu que precisaria de um quarto membro para a turnê e outros compromissos, portanto, no fim de 1981, eles colocaram um anúncio no Melody Maker que dizia: Precisa-se de tecladista para banda bem colocada - não queremos “perder tempo”. Alan Wilder, aos 22 anos, respondeu ao anúncio e, após dois testes com Daniel Miller, foi aceito como o quarto membro do Depeche Mode.
 Apesar disso, Alan foi informado que não seria necessário para a gravação do álbum propriamente dita, já que a banda queria provar que poderia obter sucesso sem Vince Clarke. A primeira contribuição musical de Alan foi em 1983, no single "Get the Balance Right!".
No terceiro álbum, Construction Time Again (1983), o Depeche Mode decidiu trabalhar com o produtor Gareth Jones, no John Foxx’s Garden Studios. O álbum foi uma mudança radical no som do grupo, principalmente pela combinação de Synclavier e Emulator com os synths analógicos usados previamente. Um bom exemplo do novo som é o primeiro single do álbum, "Everything Counts", com letra crítica sobre o capitalismo, que chegou a 6º lugar nas paradas britânicas e também entrou nos maiores sucessos na África do Sul, Suíça, Suécia e Alemanha. Alan Wilder também contribuiu nas faixas "The Landscape is Changing" e "Two Minute Warning".
Alan foi responsável por desenvolver muitos clássicos da banda, como o álbum Violator em 1990.
Alan era o membro mais empenhado na produção, enquanto a vasta maioria das músicas era compsota por Martin. Ele refinou os demos de "Enjoy the Silence (composta por Martin) e Songs of Faith and Devotion em 1993, sendo esses trabalhos com maior riqueza em termos de produção.
Durante os primeiros anos de carreira, o Depeche Mode havia conquistado grande sucesso no Reino Unido, Europa e Austrália, entretanto, em 1984 o sucesso foi ampliado para os Estados Unidos com o lançamento de "People Are People", um "hino" antipreconceito. Aproveitando o sucesso, a gravadora americana Sire Records (muito famosa pelo seu apoio ao movimento punk e as bandas pós-punk) lançou uma coletânea com o mesmo título. Um mês depois, o álbum Some Great Reward foi lançado com ótimas críticas. O Melody Maker classificou o álbum como um chamado para "prestar atenção no que está acontecendo por aqui, bem embaixo dos nossos narizes"   .
O material do álbum foi considerado mais "obscuro" que os trabalhos anteriores, com destaque para os temas de canções como "Master and Servant", uma relação agressiva que envolve sadomasoquismo e abusos morais; "Blasphemous Rumors", um protesto sobre a arbitrária justiça divina e "Lie to Me", sobre adultério. O álbum incluiu também a bela "Somebody", uma balada romântica com uma letra menos convencional.
1985-1989: Celebrações negras, amores estranhos e a consagração mundial
Em 1985, após o lançamento de quatro álbuns (dois por ano), Depeche Mode dá uma pausa e lança duas coletâneas. The Singles 81-85 para o mercado europeu e Catching Up with Depeche Mode para o americano. Das duas, somente a coletânea européia foi lançada no Brasil, com a faixa inédita "Shake the Disease", que foi sucesso de público e crítica e é faixa obrigatória na coleção dos fãs da banda.
A maior transformação do Depeche Mode aconteceu em 1986, com o lançamento do 15º single "Stripped" e o quinto álbum Black Celebration. As letras se tornaram mais reflexivas e a sonoridade mais complexa sem perder a característica do uso de samplers. Os destaques ficam por conta de "Black Celebration" e "Fly on the Windscreen". Neste álbum, uma música cantada por Martin L. Gore se tornou um grande sucesso nos Estados Unidos: "A Question of Lust". Na edição americana foi incluída uma faixa bônus chamada "But Not Tonight".
O videoclipe de "A Question of Time" foi o primeiro dirigido por Anton Corbijn, diretor responsável pelos vídeos da banda e que, até hoje, já dirigiu mais de 20 de seus vídeos. Além das gravações ao vivo, ele também assina as capas de álbuns e singles.
Alan aproveitou o momento para trabalhar em duas demos, lançado o material como primeira realização de seu projeto paralelo que atendia pela alcunha de Recoil, o álbum recebe o título de 1+2, de 1986.
Em 1987, o álbum Music for the Masses reforça as mudanças no estilo da banda. O produtor Dave Bascombe (que produziu Tears for Fears) participou da produção e "aparentemente' a banda havia abandonado os samplers por mais experimentação musical. Na Inglaterra a reação ao novo som foi decepcionante, em oposição ao resto do mundo que adorou e consagrou grandes hits como "Strangelove", "Never Let Me Down Again" e "Behind the Wheel". Os críticos aclamaram o álbum quase em unanimidade e o sucesso de vendas nos Estados Unidos foi estupendo.
Seguindo o Music for the Masses, o grupo fez a turnê mundial de 1987 a 1988, a Concert for the Masses Tour. Praticamente todos os ingressos disponíveis para os shows desta turnê se esgotaram e foi encerrada em um show com um público de 80 mil pessoas. Esta turnê foi documentada no vídeo 101 (agora em DVD duplo com extras). No Brasil, o álbum também foi um sucesso de vendas com excelente divulgação nas rádios, principalmente para o grande hit "Strangelove" – canção indispensável em qualquer referência aos anos 80 e até hoje pode ser ouvida em casas noturnas e eventos em todo o mundo.
Em 1989 é a vez de Martin Gore mostrar seu trabalho solo em Counterfeit, com músicas cover de The Durutti Column, Tuxedomoon, Sparks, entre outros.
No meio de 1989. a banda começou a gravar em Milão com o produtor Flood. O resultado dessa sessão foi o single "Personal Jesus", completamente diferente das gravações anteriores. Antes deste lançamento, foram colocadas mensagens publicitárias nos jornais do Reino Unido com a frase "your own personal Jesus" – ao pé da letra, seu próprio Jesus pessoal, individual – em seguida, os anúncios incluíam um número de telefone que era discado, ouvia-se a canção. Existem regravações dessa faixa por inúmeros artistas, entre eles Johnny Cash e Marilyn Manson. Em 2006, ela foi escolhida com umas das melhores canções de todos os tempos através de votação pela Revista Q.
  
                1990-1994: Fé e devoção a uma das maiores bandas do planeta
Em 1990, é a vez do lançamento do single "Enjoy the Silence" e do álbum Violator, também sob a assinatura do produtor Flood (U2, Erasure). O single foi o mais bem sucedido de toda a carreira da banda sua vendagem foi absurdamente incrível, perdendo apenas para gigantes como Cher, Madonna e Michael Jackson. Já o álbum Violator, alguns dizem ser o mais bem produzido de toda a discografia até hoje e um dos melhores álbuns da história do pop, trazendo mega hits como "Personal Jesus". A faixa "Policy of Truth" também fez enorme sucesso no Brasil. A World Violation Tour foi absurdamente bem sucedida, como por exemplo o show em Nova York para o Giants Stadium, que vendeu 40.000 ingressos em apenas oito horas. Depois dessa turnê, o Depeche Mode emergiu como uma das maiores bandas da época.
Alan aproveita o intervalo para, em 1991, lançar mais um EP do Recoil, o Bloodline, que contava com a participação especial de Douglas McCarthy do Nitzer Ebb no vocal em uma das músicas.
Songs of Faith and Devotion é lançado em 1993 e rendeu umas das maiores turnês da história, a Devotional Tour. O álbum, mais uma vez produzido por Flood, abusava das guitarras distorcidas de Martin L. Gore e da bateria acústica de Alan Wilder, e assim que chegou ao mercado, atingiu o primeiro lugar de assalto, tanto no Reino Unido como nos Estados Unidos. Com um estilo mais rock que os álbuns anteriores, o Songs of Faith and Devotion também contou com influências gospel na presença de duas backing vocals de vozes marcantes em "Condemnation", "In Your Room" e "Get Right with Me". A turnê durou cerca de um ano e meio e, em 1994, chegou ao Brasil para duas apresentações em São Paulo.
A Devotional Tour também foi documentada e lançada em vídeo (Agora em DVD duplo com extras) junto com uma nova versão do álbum ao vivo, chamada Songs of Faith and Devotion Live; apesar da indicação ao Grammy de "Melhor Vídeo Longo de Show" e a sua aclamação, o álbum ao vivo foi muito mau em vendas e tomado como um dos maiores erros comerciais da banda. Em 1994, o Depeche Mode tinha atingido o patamar da elite das bandas “de estádio” do mundo, ao lado de U2, R.E.M, INXS e The Rolling Stones.
A longa duração da turnê, o abuso de drogas, as instáveis mudanças de comportamento de David Gahan devido seu vício em heroína e as constantes convulsões de Martin L. Gore geraram desgastes no relacionamento interno.
 No meio da turnê Andrew Fletcher voltou para casa com uma crise nervosa (fontes afirmam que foi também por causa do nascimento do filho de Andrew na época) e foi substituído nos shows por Daryl Balmonte, assistente da banda e que também trabalhava com o The Cure, inclusive nos shows de São Paulo. Por fim, Flood disse que devido ao inferno moral pelo qual passou dentro da banda, nunca mais trabalharia com ela (mudou de opinião depois e produziu um remix de "Freelove" em 2001).
 1995-1999: A terrível queda, a dolorosa ressureição e o reconhecimento definitivo
Em junho de 1995, Alan Wilder anunciou que estava deixando o Depeche Mode, dizendo que estava “insatisfeito com as relações internas do grupo e métodos de trabalho”  . Ele continuou trabalhando com seu projeto individual Recoil.
Ainda segundo a Jaakko's Depeche Mode, Alan disse que tinha contribuído significativamente com os últimos trabalhos e que sua participação nunca recebeu o respeito e reconhecimento que merecia. Após a saída de Alan Wilder, houve inúmeras especulações se o Depeche Mode continuaria a carreira e se gravaria mais.
Os problemas do grupo eram inúmeros. Notícias que David Gahan havia tentado suicídio correram mesmo sob a negação do cantor. Outra polêmica foi uma overdose quase fatal que Gahan sofreu em sua casa em Los Angeles. Nos meados de 1996, finalmente o cantor se internou em um centro de reabilitação para combater seu vício em heroína e, atualmente, ele se declara completamente livre do vício.
Apesar dos problemas pessoais de David, Martin Gore tentou várias vezes entre 1995 e 1996 fazer a banda voltar aos estúdios. Entretanto, David não aparecia e quando ia, levava semanas para conseguir gravar qualquer linha vocal. Apesar das dúvidas sobre a continuidade da banda, inclusive por parte de Martin, após a reabilitação de David Gahan, o Depeche Mode voltou a gravar.
Em Abril de 1997, a banda lança o single "It's no Good", maior sucesso desta nova fase. A música ficou muito bem colocada, inclusive no Brasil. Então o álbum Ultra é lançado, dessa vez produzido por Tim Simenon, que já usara a alcunha de Bomb the Bass (conjunto musical eletrônico que fez sucesso no Brasil e no mundo nos anos 80) e leva disco de ouro no Brasil.
Ultra é o álbum mais pesado e "úmido" da história da banda. Outro single de grande sucesso no mundo foi "Barrel of a Gun", a mais pesada do álbum e uma das mais fortes da banda. Apesar do sucesso dos seus singles e a estréia em primeiro lugar no Reino Unido, o álbum não foi tão bem recebido pela crítica e pela maioria dos fãs, considerando um trabalho "pobre e hermético". Em função dos tratamentos do Dave Gahan para se livrar das drogas e dos próprios problemas da banda na turnê anterior, não houve nada além de duas pequenas apresentações, uma na Europa e outra nos Estados Unidos.
Neste mesmo ano Recoil lança o seu quarto álbum (o primeiro depois que saiu do Depeche Mode), chamado Unsound Methods. Ele contou com muitos artistas convidados, entre eles a cantora Maggie Estep, novame
nte o vocalista Douglas McCarthy do Nitzer Ebb e a backing vocal da turnê Devotional, a saber, Hildia Cambell.
escritas por Dave Gahan, sendo co-produzido por Ben Hillier (Some Cities, do Doves, e Think Tank, do Blur). O álbum teve um bom desempenho apesar de alguns fãs alegarem estar mal mixado. Playing the Angel representa um retorno criativo e atualizado à sonoridade dos anos oitenta, sendo um dos melhores trabalhos do grupo em toda a sua carreira.
A banda resolve dar uma pausa, depois de uma das suas melhores turnês, a Touring the Angel, que teve uma média de 40 mil pessoas por show. Em setembro de 2006, foi lançado o DVD duplo (com uma rara edição tripla) Touring the Angel: Live In Milan, com duas noites da banda e um grande show na cidade de Milão na Itália.

1998 foi o ano em que o Depeche Mode lança a compilação The Singles 86-98 em CD e VHS (The Videos 86-98), que incluía um novo single, "Only When I Lose Myself" (gravada durante a produção do Ultra), de bela letra. Neste mesmo ano, a banda faz uma curta turnê chamada The Singles Tour de apenas quatro meses pela Europa, EUA e Canadá. Nos teclados, assumindo o lugar de Alan, estava Peter Gordeno. Na bateria, o austriaco Christian Eigner. Mesmo se recuperando ainda dos problemas internos e com uma curta turnê, ela atraiu um grande público, deu disco de platina a coletânea (era uma coletânea dupla) e estabeleceu o Depeche Mode como uma banda que não importa se vende bem ou não, sempre tem turnês muito bem-sucedidas (Outras bandas nesse patamar são R.E.M., The Rolling Stones e U2). Também nesse ano foi relançada a edição remasterizada de The Singles 81-85.
Ainda em 1998, chegou ao mercado um álbum tributo chamado For the Masses que continha versões de canções do Depeche Mode gravadas por bandas como Smashing Pumpkins, The Cure, Rammstein e Deftones.
Anos 2000: Uma grande ascensão mundial
Recoil lança o álbum Liquid, em 2000, que não foi muito bem comercialmente. Exciter veio em 2001, com quatro singles: "Dream On" - inova com sua mistura de opostos (acústico e eletrônico), "I Feel Loved" - cumpre bem o papel de faixa comercial, sendo um grande sucesso nos clubes do mundo todo - "Freelove" - com a sua batida bonita, seu clima sério e seu belíssimo final - E por último, já em 2002, é lançado "Goodnight Lovers" - uma baladinha (de boa letra) que nem chegou a ser executada na Exciter Tour, o que surpreendeu os fãs, que esperavam que "The Dead of Night" ou "The Sweetest Condition" se tornasse o quarto single.

                                               Anton Corbijn, que já havia filmado o Devotional em 1993, filmou duas grandes noites da banda em Paris, tendo como resultado o mais ao vivo dos DVDs e um dos melhores da banda, o Depeche Mode: One Night in Paris, lançado em meados de 2002, também contando com a presença de Peter Gordeno e Christian Eigner no palco. A banda aproveita para descansar e trabalhar em projetos paralelos. Ainda em 2002, uma nova edição de The Videos 86-98 é lançada numa edição em DVD duplo, que incluía clipes raros como a versão original de "Strangelove", os vídeoclipes de "One Caress", "But Not Tonight" e "Condemnation (Paris Mix)".
No início de 2003, Dave Gahan lança o primeiro trabalho solo, Paper Monsters, mais rock que tudo que já se viu no Depeche Mode, com influências até mesmo de blues (onde Gahan toca até gaita);
"Dirty Sticky Floors", faixa principal do disco, foi bem executada nas rádios. O álbum teve uma turnê muito bem sucedida, contando com mais quatro excelentes músicos no palco. Com composições próprias, Dave Gahan começa a reclamar o seu espaço no Depeche Mode como compositor, o que gerou muitos comentários em público. Nesse interim, é lançado um álbum de covers (que também continha um DVD) Counterfeit II, projeto paralelo de Martin Gore, que tinha o single "Loverman". Mais eletrônico que Dave Gahan, e mais depressivo também, o disco contou com o apoio de uma curta turnê pela Europa e EUA. No palco, dois músicos, além de Martin Gore, incluindo o tecladista Peter Gordeno. Ao final de 2003, o Depeche Mode relança uma edição especial do 101 em DVD, com dois discos, e algumas faixas que não tinham no VHS original e entrevistas recentes com Martin Gore, Dave Gahan e Andrew Fletcher.
Em 2004, Dave Gahan lança o DVD Paper Monsters Live que incluía todas as faixas do álbum ao vivo e algumas do Depeche Mode, como: "A Question of Time", "Never Let Me Down Again" entre outras. Todas as músicas foram também lançadas e um álbum que só foi vendido pela Internet no formato MP3. Martin Gore também lança uma versão do álbum Counterfeit II com músicas ao vivo desse projeto. É lançada também nesse ano a edição especial em DVD duplo de Devotional, incluindo algum material extra, entre eles as projeções de palco e as versões ao vivo de "Halo" e "Policy of Truth", sem falar de um documentário feito pela MTV Europa na época. Também nesse ano, é lançado o álbum duplo Remixes 81-04, com uma edição limitada contendo um terceiro disco. Mike Shinoda do Linkin Park participou de uma nova versão de "Enjoy the Silence", que teve até um single e um videoclipe novo.
Playing the Angel, lançado em 17 de Outubro de 2005, foi precedido pelo single "Precious". Gravado em Santa Barbara, Nova York
  2009-2011: Sounds of the Universe
No dia 15 de janeiro de 2009, o site oficial anuncia o nome do álbum, e no dia 20 de abril o álbum Sounds of the Universe é lançado, ficando em 1º lugar em 21 países e ficando durantes semanas na lista dos mais vendidos na Europa, ultrapassando nomes de peso como Green Day e U2, "Wrong" foi lançado no dia 21 de fevereiro e "Peace", seu segundo single foi lançado no mercado europeu no dia 15 de julho, e fez grande sucesso na MTV Brasil. Mais tarde lançaram apenas para os Estados Unidos o single promocional "Perfect".
Como anunciado no dia 6 de outubro de 2008 na Alemanha, uma turnê mundial iria começar para a promoção do álbum, e iria incluir países que não foram agraciados com turnês nos últimos anos como os da América Latina principalmente, fazendo shows no Chile, Peru, Colômbia, Argentina e Brasil.
Para a decepção de milhares de fãs, a Tour of the Universe não iria mais tocar no Brasil, no dia 22 de julho de 2009, os dois shows da turnê que seriam realizados no Rio de Janeiro e São Paulo foram cancelados. Os fãs fizeram um grande protesto no site depeche mode no brasil.net, composto por um abaixo assinado e um video.
Em 30 de setembro de 2009, "Wrong" foi nomeado em ambos "Melhor Vídeo de Rock" e "Melhor Efeitos Visuais Em Um Vídeo" no UK MVA Award (uma premiação britânica).
Em 3 de dezembro de 2009, Sounds of the Universe foi indicado como "Melhor Álbum Alternativo" no Grammy Awards. Eles receberam uma segunda nomeação para o vídeoclipe "Wrong" de "Melhor Videoclipe Musical de Forma Curta".
A banda anunciou que faria um concerto beneficente para o Teenage Cancer Trust no Royal Albert Hall em 17 de fevereiro de 2010. O concerto teve a participação de Alan Wilder, que tocou piano na apresentação da canção "Somebody" com Martin Gore nos vocais.
"Fragile Tension/Hole to Feed", um single lado A duplo, foi lançado como terceiro single em 7 de dezembro de 2009.
Conforme relatado pela revista Billboard, a Tour of the Universe se tornou um dos 25 mais rentáveis em 2009. A lista liderada por U2 e Madonna compara faturamento duplo faturado pelos artistas que estavam em turnê entre 6 de dezembro de 2008 e 21 de novembro de 2009. Depeche Mode fica no vigésimo lugar na lista, com uma receita bruta total de $45,658,648 em 31 shows, gerando uma audiência estimada de 690.000 espectadores. Esses números são apenas para os shows realizados na América, o faturamento da Tour of the Universe em solo europeu foi muito maior.
Em Março de 2010, o Depeche Mode ganhou o prêmio de "Melhor Grupo Internacional - Rock/Pop" no ECHO Awards na Alemanha.
O DVD Tour of the Universe - Live in Barcelona foi lançado em 8 de novembro de 2010. O show em Barcelona na Espanha foi gravado entre 20 e 21 de novembro de 2009. O vídeo de Tour of the Universe é o primeiro que foi lançado em formato Blu-Ray.
Como uma conclusão da relação de três anos trabalhando com a EMI, em 6 de junho de 2011, a banda lançou uma coletânea de remixes, intitulado Remixes 2: 81-11 que apresenta remixes dos ex-membros Vince Clarke e Alan Wilder. Outros envolvidos com o projeto foram Nick Rhodes do Duran Duran, Röyksopp, Karlsson e Winnberg de Miike Snow, Eric Prydz, Clark e muito mais. Uma novo remix de "Personal Jesus", de Stargate, intitulado "Personal Jesus 2011", foi lançada como single em 30 de Maio de 2011, em apoio da compilação.
Depeche Mode tem contribuíu com uma cover de "So Cruel" (uma canção do U2) para o álbum de tributo AHK-Toong BAY-bi Covered para o 20º aniversário de Achtung Baby, um álbum de 1991 da banda de rock irlandesa U2. O CD de compilação foi lançado pela Q Magazine no final de 2011 .

                                                2012-presente: 13º álbum
Durante um show como DJ na Itália, Andy Fletcher revelou que a banda está definida para reunir-se em Janeiro para começar a planejar o novo álbum de estúdio, e disse que eles estão com o objetivo de iniciar a gravação em março com uma turnê a seguir em 2013.
 Grande influência e fonte de inspiração

A influência do Depeche Mode pode ser notada por bandas tão diferentes que fizeram um álbum de tributo ao grupo em 1998. O potencial da banda dentro do cenário musical é enorme, principalmente na música eletrônica e pop. Abaixo, segue-se uma lista de bandas que foram influenciadas, muito ou pouco, por Depeche Mode.
Deftones, Lacuna Coil, Placebo, Camouflage, Linkin Park, Smashing Pumpkins, Rammstein, Paradise Lost, Coldplay, The Killers, Franz Ferdinand, HIM, Keane, The Bravery, Information Society e Pet Shop Boys. Outras menores também, como The Junior Boys, Gus Gus, Veruca Salt, God Lives Underwater, Hooverphonic, Failure, Apollo Four Forty e Monster Magnet.
Existem bandas também que são fãs de Depeche Mode e acredita-se que já trocaram influências com a banda, como é o caso do The Cure, Foo Fighters, Queens of the Stone Age e Nine Inch Nails; ou artistas como Marilyn Manson, Tori Amos, Shakira e Johnny Cash. Existem também bandas e artistas brasileiros que foram influenciadas pelo trabalho do Depeche, como Jay Vaquer, Alex Góes, o Skulk ou a banda cover Strange Mode.
Os Pet Shop Boys ouviam muito o álbum Violator e o usaram como inspiração para o seu aclamado álbum Behaviour. Neil Tennant disse que "Nós estávamos ouvindo o álbum Violator, que era realmente um bom álbum. Ficamos com muita inveja"; enquanto Chris Lowe disse "Eles realmente aumentaram de nível".
Chester Bennington, principal vocalista do Linkin Park foi bastante inspirado pela banda, como pode ser visto pelos seus trajes no vídeoclipe de "What I've Done". Outro membro da banda, Mike Shinoda, recentemente afirmou: "Depeche Mode é uma das bandas mais influentes de todos os tempos, e são uma grande inspiração para mim".
Entretanto, a maior e mais criticalmente reconhecida participação da banda foi definitivamente ser peça-chave na "explosão dance music" de Chicago e de Detroit, onde vários DJ's e produtores como Derrick May, Kevin Saunderson e Juan Atkins aclamavam a banda como maior influência, principalmente depois do lançamento do Music for the Masses.
As bandas que influenciaram o Depeche Mode são principalmente o Kraftwerk, Velvet Underground e David Bowie. Ao vivo, admiram a banda punk The Clash.
Existem muitas coisas que o Depeche Mode fez que nehuma outra banda do mesmo gênero faz, como por exemplo ser a única banda de música eletrônica a se apresentar em estádios, ter uma base enorme de fãs dedicados por todo o mundo e sempre ter álbuns estreando no Top 10 da Billboard 200, mesmo com mais de 25 anos de carreira. Seus álbuns vendem em média mais de 3 milhões de cópias; tem 18 singles na US Hot 100, 4 singles em primeiro lugar na US Modern Rock e 7 singles na US Hot Dance/Club Play, e mais de 20 singles no total a chegar em paradas de sucesso, de um modo geral.
Em 1997, o Rammstein fez um cover da música "Stripped". Disponível na versão australiana, como uma faixa bonus, do segundo album da banda, o Sehnsucht.
"But Not Tonight" ganhou uma cover feita por Scott Weiland (Stone Temple Pilots, Velvet Revolver) para o filme Não É Mais Um Besteirol Americano.
Em Maio de 2007, após cálculos e contagens das gravadoras, chegou-se ao resultado de 16 milhões de cópias vendidas nos EUA sozinhos, não incluindo singles. O Depeche Mode é considerado "a banda de música eletrônica mais popular de todos os tempos" pela grande maioria da crítica e do público mundial; sendo mais famosa que grandes concorrentes, como New Order e os Pet Shop Boys.
Em Agosto de 2008, o Coldplay lançou uma versão cover do vídeoclipe de "Enjoy the Silence", como um video alternativo de Viva la Vida. O vídeo foi dirigido por Anton Corbijn nos Países Baixos.
 Integrantes

Atuais
David Gahan - vocal (1980-presente)
Martin Gore - teclado, guitarra e vocal (1980-presente)
Andrew Fletcher - teclado, baixo (1980-presente)
Ex-integrantes
Vince Clarke - teclado, guitarrra, backing vocals (1980–1981)
Alan Wilder - teclado, piano, bateria, percussão, backing vocals (1982–1995)      
                   
                                    
Álbuns de estúdio
Speak & Spell (1981)
A Broken Frame (1982)
Construction Time Again (1983)
Some Great Reward (1984)
Black Celebration (1986)
Music for the Masses (1987)
Violator (1990)
Songs of Faith and Devotion (1993)
Ultra (1997)
Exciter (2001)
Playing the Angel (2005)
Sounds of the Universe (2009)

quinta-feira, novembro 29, 2012

a tora (livro sagrado)

Arquivo: Köln-Tora-und-Innenansicht-Synagoge-Glockengasse-040.jpg
                                                      Torá
A Torá ( / t ɔ ː r ə / ; hebraico : תּוֹרָה , "Instrução", "Ensino") é o nome judeu para os primeiros cinco livros da Bíblia judaica . Em hebraico os cinco livros são nomeados pela primeira frase do texto: Bereshit ("No [o] princípio", Gênesis ), Shemot ("Nomes", Êxodo ), Vayikra ("Ele chamou", Levítico ), Bamidbar ("No deserto," Números ) e Devarim ("palavras", Deuteronômio ).
Na literatura rabínica a palavra Torah denota ambos os cinco livros, Torá shebiktav (תורה שבכתב, "Torá que está escrito"), e uma oral Torá , Torá Shebe'al HPE(תורה שבעל פה ", Torá, que é falado"). A Torá Oral consiste nas interpretações tradicionais e amplificações proferidas de boca em boca, de geração em geração e consagrados no Talmud (תַּלְמוּד) e Midrash (מדרש).   As palavras da Torá são escritos em um pergaminho por um sofer em pergaminho em hebraico. A porção da Torá deve ser lida publicamente pelo menos uma vez a cada três dias, no haláchico melodia prescrita, na presença de uma congregação ,   que é a base para a vida comunitária judaica.
Segundo a tradição judaica, todas as leis encontradas na Torá, escrita e oral, foram dadas por Deus a Moisés , alguns deles no Monte Sinai e outros noTabernáculo , e todos os ensinamentos foram escritos por Moisés , o que resultou na Torá que temos hoje. Segundo um Midrash, a Torá foi criado antes da criação do mundo, e foi usado como modelo para a criação.   A maioria dos modernos estudiosos da Bíblia acreditam que os livros escritos eram um produto do exílio babilônico período (c. 600 aC) e que foi concluída no período persa (c. 400 aC). 
File:ReadingOfTheTorah.jpg

                                           Significado e nomes

A palavra "Torah" em hebraico é derivado da raiz que ירה no hifil conjugação significa "para orientar / ensinar" (cf. Lv . 10:11). O significado da palavra é, portanto, "ensinar", "doutrina", ou "instrução", o comummente aceite "lei" dá uma impressão errada.   Outros contextos de translação no idioma Inglês incluempersonalizado , teoria , orientação ,   ou sistema 
A palavra hebraica para lei é din . O termo "Torah" é, portanto, também usado no sentido geral para incluir tanto o Judaísmo da lei escrita e lei oral , que serve para abranger todo o espectro de autoridade judeus ensinamentos religiosos ao longo da história, incluindo o Mishnah , o Talmud, o Midrash e mais ea prestação imprecisa de "Torah" como "Lei"   pode ser um obstáculo para a "entender o ideal que se resume no termo talmud torah (תלמוד תורה, "estudo da Torá"). 
O primeiro nome para a primeira parte da Bíblia parece ter sido "A Torá de Moisés." Este título, no entanto, é encontrado nem na própria Torá, nem nas obras dospré-exílicas profetas literários. Ela aparece em Josué (8:31-32; 23:6) e Reis (I Reis 2:3; II Reis 14:6; 23:25), mas isso não pode ser dito para se referir lá para todo o corpo. Em contraste, não há qualquer possibilidade de que seu uso nas obras pós-exílico (Malaquias 3:22; Dan 9:11, 13;. Esdras 3:2; 7:6;. Ne 8:1;. II Crônicas 23 : 18; 30:16) pretendia ser abrangente. Outros títulos iniciais foram "O Livro de Moisés" (Esdras 6:18;. Ne 13:1; II Cr 35:12;. 25:4;. Cf II Reis 14:6) e "O Livro da Torah" ( . neh 8:3), que parece ser uma contração de uma melhor nome, "O Livro da Torá de Deus" (Neemias 8:8, 18; 10:29-30;.. cf 9:3) 
Estudiosos geralmente se referem aos primeiros cinco livros da Bíblia hebraica como o Pentateuco , um termo usado pela primeira vez no judaísmo helenístico de Alexandria  , significado cinco livros, ou como a Lei, ou Lei de Moisés. Os muçulmanos se referem a Torá como Tawrat ( توراة , "Lei"), uma palavra árabe para as revelações dadas ao profeta islâmico Musa ( موسى , Moisés em árabe).
File:Torah and jad.jpg

                                                           Composição

De acordo com a tradição judaica, a Torá foi ditada a Moisés por Deus, com a excepção dos últimos oito versos de Deuteronômio que descrevem a morte de Moisés.  Hoje, a maioria dos estudiosos acreditam que a Torá não tem um único autor, e que sua composição ocorreu ao longo de séculos.   A partir do final do século 19, houve um consenso geral em torno da hipótese documentária , que sugere que os cinco livros foram criados c.450 aC pela combinação de quatro fontes originalmente independentes, conhecidos como Jahwist , ou J (cerca de 900 aC), o Eloísta , ou E (cerca de 800 aC), o Deuteronomista , ou D, (cerca de 600 aC), e da fonte sacerdotal , ou P (cerca de 500 aC).   Este acordo geral começou a quebrar no final de 1970, e hoje há muitas teorias, mas não há consenso, ou até mesmo ponto de vista da maioria.   Variações do documentário hipótese permanecem populares, especialmente nos Estados Unidos e de Israel, bem como a identificação de distintas teologias deuteronomista e sacerdotal e vocabulários continua a ser generalizada, mas eles são usados ​​para formar novas abordagens sugerem que os livros foram combinados gradualmente ao longo do tempo pelo acúmulo lento de "fragmentos" de texto, ou que um texto básico foi "complementado" por autores posteriores / editores. No ao mesmo tempo, tem havido uma tendência para trazer as origens do Pentateuco mais para a frente no tempo, e as propostas mais recentes colocá-lo no quinto século Judá sob o império persa .
Deuteronômio é muitas vezes tratada separadamente do Gênesis, Êxodo, Números, Levítico. O processo de sua formação, provavelmente, levou centenas de anos, a partir do século 8 a 6,   e os seus autores tenham sido identificada como círculos proféticos (porque as preocupações de Deuteronômio espelhar as dos profetas, especialmente Oséias ), levítico sacerdotal círculos (porque destaca o papel dos levitas ), sabedoria e escribas e os círculos (porque estima a sabedoria, e porque o tratado de forma em que está escrito seria melhor conhecido por escribas).  De acordo com a teoria da a história deuteronomista proposto por Martin Noth e amplamente aceita, Deuteronômio foi um produto do tribunal de Josias (século 7 tarde) antes de ser usado como introdução para uma história abrangente de Israel escrito no início do século 6, mais tarde, ainda que foi separado da história e utilizado para arredondar o Pentateuco
File:Toras in Istanbul Ashkenazi Sinagogue.JPG
Torahs na Sinagoga Ashkenazi (Istambul, Turquia)

                                                   Estrutura

Os cinco livros da Torá são conhecidos no judaísmo por seus incipit , as palavras iniciais do primeiro verso de cada livro. Por exemplo, o nome hebraico do primeiro livro, Bereshit , é a primeira palavra deGênesis 1:1 :
1.    Bereshit ( בְּרֵאשִׁית , literalmente: "No princípio")
2.    Shemot ( שִׁמוֹת , literalmente "Nomes")
3.    Vayikra ( ויקרא , literalmente "E Ele chamou")
4.    Bəmidbar ( במדבר , literalmente "No deserto [de]")
5.    Devarim ( דברים , literalmente "coisas" ou "Palavras")
Os nomes cristãos para os livros são derivadas do grego Septuaginta e refletir o tema essencial de cada livro:
1.    Gênesis : "criação"
2.    Exodus : "partida"
3.    Levítico : refere-se aos levitas e os regulamentos que se aplicam à sua presença e serviço no Templo , que formam a maior parte do terceiro livro.
4.    Números ( Arithmoi ): contém um registro da numeração dos israelitas no deserto do Sinai e, mais tarde, na planície de Moab .
1.    Deuteronômio : "segunda lei", refere-se a recapitulação o quinto livro de o mandamentos revistos por Moisés antes de sua morte.
De acordo com a tradição oral , a prosa na Torá não está sempre em ordem cronológica. Às vezes, é ordenada por conceito de acordo com a regra: "Não há 'antes' e 'depois' da Torá" (אין מוקדם ומאוחר בתורה,Ein mukdam u'meuchar baTorah ). Esta posição é aceito pelo judaísmo ortodoxo . Não-ortodoxos judeus geralmente compreender os mesmos textos como sinais de que o texto atual da Torá foram redigidas a partir de fontes anteriores.

File:Page Pointers for reading of Torah.jpg
Ponteiros de página para a leitura da Torá

                                                        Conteúdo

Bereshit (Genesis) começa com a chamada "história primitiva" (Gn 1-11), a história das origens do mundo e da descida de Abraão. Isto é seguido pela história dos três patriarcas ( Abraão , Isaac e Jacó ),José (Gênesis 12-50) e as matriarcas quatro ( Sarah , Rebeca , Lia e Raquel ). Deus dá aos pais uma promessa da terra de Canaã , mas no final de Gênesis os filhos de Jacó acabar deixando Canaã para o Egito devido a uma fome regional. Eles tinham ouvido que havia um armazenamento de grãos e facilidade de distribuição no Egito.
Shemot (Êxodo) começa a história da revelação de Deus ao seu povo Israel através de Moisés , que os leva para fora do Egito (Êxodo 1-18) para o Monte Sinai . Lá as pessoas aceitam uma aliança com Deus, concordando com o seu povo em troca de concordar em cumprir a sua lei. Moisés recebe a Torá de Deus, e medeia Suas leis e Aliança (Êxodo 19-24) para o povo de Israel. Êxodo também lida com a primeira violação do pacto quando o Bezerro de Ouro foi construído (Êxodo 32-34). Êxodo conclui com as instruções para construir o Tabernáculo (Êxodo 25-31; 35-40).
Vayikra (Levítico) começa com as instruções para os israelitas sobre como usar o Tabernáculo , que tinham acabado de construir (Levítico 1-10). Isto é seguido por regras de puros e impuros (Levítico 11-15), que inclui as leis de abate e os animais permitidos para comer (ver também: Kashrut ), o Dia da Expiação (Levítico 16), e várias leis morais e ritual às vezes chamado de Código de Santidade (Levítico 17-26).
Bamidbar (Números) conta como Israel se consolidou como uma comunidade no Sinai (Números 1-9), definidos a partir de Sinai de avançar para Canaã e espiaram a terra (Números 10-13). Por causa da incredulidade em vários pontos, mas especialmente em Cades Barnea (Números 14), os israelitas foram condenados a vagar durante quarenta anos no deserto nas proximidades de Cades em vez de imediatamente entrar na terra da promessa. Mesmo Moisés pecados e é dito que ele não viveria para entrar na terra (Números 20). No final dos Números (Números 26-35) move Israel de Cades às planícies de Moab, em frente de Jericó , prontos para entrar na Terra Prometida.
Devarim (Deuteronômio) é uma série de discursos de Moisés nas planícies de Moab, em frente de Jericó. Moisés proclama a Lei (Deuteronômio 12-26), dá instruções sobre renovação da aliança em Siquém (Deuteronômio 27-28) e dá novas leis de Israel (o " Código deuteronômica ) " No final do livro (Deuteronômio 34) Moisés está autorizado a ver a terra prometida de uma montanha, mas não se sabe o que aconteceu com Moisés sobre a montanha. Ele nunca mais foi visto. Sabendo que ele está se aproximando do fim de sua vida, Moisés nomeia Josué seu sucessor, legando-lhe o manto da liderança.Logo depois, Israel começa a conquista de Canaã.

                                              Torá e Judaísmo

Rabínicos escritos oferecem várias idéias sobre quando a Torá foi composta. A revelação a Moisés no Monte Sinai é considerado pela maioria como o evento revelador. De acordo com a actualização do texto por ortodoxos rabinos , isso ocorreu em 1312 aC;   . outra data determinada para este evento é de 1280 aC
Algumas fontes rabínica que toda a Torá foi dada de uma só vez neste evento. Na crença maximalista, este ditado incluiu não apenas as citações que aparecem no texto, mas cada palavra do texto em si, incluindo frases como "E Deus falou a Moisés ...", e incluiu Deus dizendo a Moisés cerca próprio Moisés morte e eventos subseqüentes. Outros clássicos fontes rabínicas   espera que a Torá foi revelado a Moisés durante muitos anos, e terminou apenas com a sua morte.
Outra escola rabínica de pensamento sustenta que, embora Moisés escreveu a grande maioria da Torá, os quatro últimos versos da Torá deve ter sido escrito depois de sua morte por Josué. Abraham ibn Ezra e Joseph Bonfils observado   que algumas frases no Torá apresentar informações que as pessoas só devem ter conhecido depois do tempo de Moisés. Ibn Ezra sugeriu, e Bonfils explicitamente, que Josué (ou talvez algum profeta depois) escreveu estas seções da Torá. Outros rabinos não aceitavam essa crença.
O Talmud (. tratado Sabb 115b) afirma que uma seção peculiar no Livro dos Números (10:35 - 36, cercado por invertidos freiras letra hebraica) na verdade formam um livro separado. Sobre este verso de um Midrash sobre o livro de Mishle (Inglês Provérbios ) afirma que "Estes dois versos resultam de um livro independente que existia, mas foi reprimida!" Outra midrash (possivelmente antes), Ta'ame Haserot Viyterot, afirma que esta seção na verdade vem do livro da profecia deEldade e Medade . O Talmud diz que Deus ditou quatro livros da Torá, mas que Moisés escreveu Deuteronômio em suas próprias palavras ( Talmud Bavli , Meg. 31b).
Todas as visões clássicas rabínicas afirmam que a Torá foi inteiramente ou quase inteiramente Mosaic e de origem divina. 

                                                         uso Ritual

Torá leitura ( hebraico : קריאת התורה , K'riat HaTorah  ; "Leitura [da] Torá") é um religioso judeu ritual que envolve a leitura pública de um conjunto de passagens a partir de um rolo da Torá . O termo muitas vezes refere-se a toda a cerimônia de remover o rolo da Torá (ou rolos) da arca , cantando o trecho adequado, com especial cantilena , e retornando a rolagem (s) para a arca. É distinto do acadêmico o estudo da Torá .
Leitura pública regular da Torah foi introduzido por Ezra o Escriba, após o retorno do povo judeu do cativeiro babilônico (c. 537 aC), como descrito no livro de Neemias . Na era moderna, os adeptos do judaísmo ortodoxo a prática da leitura da Torá de acordo com um determinado procedimento que acreditam manteve-se inalterada nos dois mil anos desde a destruição do Templo de Jerusalém (70 dC). No dias 19 e 20 séculos CE, novos movimentos, como o judaísmo reformista e Judaísmo Conservador fizeram adaptações para a prática da leitura da Torá, mas o padrão básico da leitura da Torá geralmente tem permanecido a mesma:
Como parte da manhã ou da tarde de oração em determinados dias da semana ou férias, uma parte do Pentateuco é lido a partir de um rolo da Torá. No Shabat (sábado) pela manhã, uma seção semanal (" parashá ") é lido, selecionados de forma que todo o Pentateuco é lido consecutivamente a cada ano.   Nas tardes de sábado, segundas e quintas-feiras, o início da seguinte parcela de sábado é lido. Em feriados judaicos , o início de cada mês, e dias de jejum , seções especiais ligados ao dia são lidos.
Judeus observar um feriado anual, Simchat Torá , para comemorar a conclusão do ciclo do ano de leituras.
Rolos da Torá são muitas vezes vestida com uma faixa, um cover Torá especial, vários ornamentos e um Keter (coroa), embora tais costumes variam entre sinagogas. Congregantes tradicionalmente pé quando a Torá é trazido para fora da arca para ser lido, enquanto está sendo realizada, e levantada, e também enquanto ele é devolvido para a arca, embora eles se sentam durante a leitura em si.

                                                    lei bíblica


A Torá contém narrativas, declarações de direito, e declarações de ética. Coletivamente, estas leis, normalmente chamado de lei bíblica ou mandamentos, são por vezes referido como a Lei de Moisés (Torat Moshe תּוֹרַת - מֹשֶׁה ), Mosaico Lei , ou do Sinai Direito . Moisés recebeu todas as leis de Deus no Monte Sinai. Estas leis foram a primeira parte da Torá.

                                            A Torá e lei oral do judaísmo


A tradição rabínica afirma que Moisés aprendeu toda a Torá enquanto ele vivia no Monte Sinai por 40 dias e noites, e tanto o oral eo escrito Torá foram transmitidos em paralelo com o outro. Onde a Torá deixa palavras e conceitos indefinidos, e menciona procedimentos sem explicação ou instruções, o leitor é obrigado a procurar os detalhes que faltam a partir de fontes suplementares conhecida como a lei oral ou Torá oral.  Alguns dos mandamentos mais proeminente da Torá necessitando mais explicações são as seguintes:
§  Tefillin : Tal como indicado na Deuteronômio 06:08 entre outros lugares, tefilin são colocados no braço e na cabeça, entre os olhos. No entanto, não há detalhes fornecidos sobre o que tefilin são ou como estão a ser construído.
§  Kashrut : Como indicado em Êxodo 23:19 entre outros lugares, uma criança não pode ser cozido no leite de sua mãe. [Um garoto sendo um cabrito.] Além de inúmeros outros problemas com a compreensão da natureza ambígua da lei, não há personagens vowelization na Torá, pois eles são fornecidos pela tradição oral. Isto é particularmente relevante a esta lei, como a palavra hebraica paraleite (חלב) é idêntica à palavra para gordura animal quando vogais estão ausentes. Sem a tradição oral, não se sabe se a violação está em mistura com o leite ou de carne com gordura.
§  Shabat leis: Com a gravidade da violação do sábado, ou seja, a pena de morte, é de se supor que a direção seria fornecida a respeito de como exatamente esse mandamento grave e núcleo deve ser acolhida. No entanto, há pouca ou nenhuma informação sobre o que pode e não pode ser realizada no sábado. Sem a tradição oral, mantendo-se esta lei seria impossível.
De acordo com clássicos textos rabínicos este conjunto paralelo de material foi originalmente transmitido a Moisés no Sinai, e depois de Moisés a Israel. Na época, foi proibido de escrever e publicar a lei oral, como qualquer escrita seria incompleta e sujeita a erros de interpretação e de abuso.
No entanto, após a dispersão exílio e perseguição, esta tradição foi levantada quando se tornou evidente que na escrita era a única maneira de garantir que a Lei Oral poderia ser preservada. Depois de muitos anos de esforço por um grande número de tannaim , a tradição oral foi escrito por volta de 200 dC pelo rabino Judá haNasi que assumiu a compilação de uma versão nominalmente escrito da Lei Oral, a Mishná ( hebraico : משנה). Outras tradições orais desde o mesmo período de tempo não entrou em Mishná foram registrados como "Baraitot" (ensino externo), eo Tosefta . Outras tradições foram escritas como Midrashim .
Após mais constante perseguição da lei oral estava comprometido com a escrita. Um grande número de aulas, palestras e mais tradições apenas mencionada nas poucas centenas de páginas de Mishná, tornaram-se as milhares de páginas agora chamados a Gemara . Gemara é escrito em aramaico, tendo sido compilado na Babilônia. O Mishnah e Gemara juntos são chamados de o Talmud . Os rabinos em Israel também recolheu suas tradições e compilou-os no Talmud de Jerusalém . Uma vez que o maior número de rabinos viveu na Babilônia, o Talmude Babilônico tem precedência deve a dois estar em conflito.
Os judeus ortodoxos e judeus conservadores aceitar esses textos como a base para toda a halachá subseqüente e códigos da lei judaica, que estão a ser realizada normativa. Judeus de reforma e reconstrucionista negar que esses textos podem ser usados ​​para determinar a lei normativa (leis aceito como ligação), mas aceitá-los como a versão autêntica e só judaica para a compreensão da Torá e seu desenvolvimento ao longo da história.

                                  Produção e utilização de um rolo da Torá

Manuscrito Torá rola ainda são usados, e ainda descrita, para fins rituais (ou seja, os serviços religiosos ), o que é chamado de Sefer Torá ("Livro [de] Torah"). Eles são escritos usando uma metodologia minuciosamente cuidado por escribas altamente qualificados. Isso resultou em cópias modernas do texto que não foram alteradas a partir de milênios de idade cópias. Acredita-se que cada palavra, ou a marcação, tem um significado divino, e que não fazem parte um pode ser inadvertidamente alterada para que não levar a erro. A fidelidade do texto hebraico do Tanakh, ea Torá, em particular, é considerado fundamental, até a última letra: traduções ou transcrições são malvistos para uso de serviço formal, e transcrever é feito com cuidado meticuloso. Um erro de uma única letra, ornamentação, ou símbolo das 304.805 letras estilizadas que formam o texto hebraico da Torá torna um impróprios para uso Torah, portanto, uma habilidade especial é necessária e um rolo de papel leva um tempo considerável para escrever e verificar.
De acordo com a lei judaica, um Sefer Torá (plural: Sifrei Torá ) é uma cópia do texto hebraico formal de escrita à mão em gevil ou qlaf (formas de pergaminho ), usando uma pena (ou outro utensílio permitido escrever) embebido em tinta. Inteiramente escrito em hebraico , um Sefer Torá contém 304.805 letras, os quais devem ser duplicados precisamente por um profissional de sofer ("escriba"), um esforço que pode demorar até cerca de um ano e meio. Mais moderno Sifrei Torá são escritos com 42 linhas de texto por coluna (judeus iemenitas usar 50), e regras muito rígidas sobre a posição e aparência das letras hebraicas são observados. Ver, por exemplo, o Berura Mishna sobre o assunto.  Qualquer um de vários scripts hebraicas podem ser utilizados, a maioria dos quais são bastante ornamentado e exigente.
A conclusão do Sefer Torá é um motivo de grande celebração, e é um Mitzvah para cada judeu a escrever ou ter escrito para ele um Sefer Torá. Rolos da Torá são armazenados na mais sagrada parte dasinagoga na Arca conhecido como o "Santo Ark" ( אֲרוֹן הקֹדשׁ Aron HaKodesh em hebraico). Aron em hebraico significa "armário" ou "armário", e kodesh é derivado de "kadosh" , ou "santo".

Em outras religiões


Enquanto o cristianismo inclui os cinco livros de Moisés (o Pentateuco ) entre os seus textos sagrados, em seu Antigo Testamento , o Islã considera que apenas a Torá original foi enviado pelo Deus único e verdadeiro. Em ambas as religiões não têm o significado religioso legal que eles têm em judaísmo ortodoxo.
Entre os centros do cristianismo um grego koiné versão da Bíblia hebraica foi usado por oradores gregos ( aramaico Targums foram usados ​​pelos falantes aramaico, como a Igreja Ortodoxa Siríaca ). O nome da versão grega na América é a Septuaginta : L. septem significado sete, além de Ginta- intencionados "vezes dez". Foi nomeado Septuaginta do número tradicional de seus tradutores. Esta versão grega das Escrituras Hebraicas data do século 3 aC , originalmente associado com o judaísmo helenístico . Ele contém uma tradução do hebraico e material adicional e variante. Foi considerado como a forma padrão do Antigo Testamento na Igreja grega cristã primitiva e ainda é considerado canônico na Igreja Ortodoxa Oriental.   Apesar de diferentes denominações cristãs têm um pouco diferentes versões do Antigo Testamento em suas Bíblias, a Torá como os "Cinco Livros de Moisés" (ou "a Lei de Moisés ") é comum entre todos eles.
O Alcorão refere-se fortemente a Moisés para delinear a verdade de sua existência e as orientações religiosas que Deus tinha revelado aos filhos de Israel. Deus diz no Alcorão: "Ele é Quem fez descer o Livro (o Alcorão), para que com a verdade, confirmando o que veio antes dela. E Ele enviou o Taurat (Torá) eo Injeel (Evangelho) . "  
Muçulmanos chamam a Torá a Tawrat e consideram a palavra de Deus dado a Moisés. No entanto, os muçulmanos também acreditam que esta revelação original foi corrompido ( tahrif ) ao longo do tempo por escribas judeus   e, portanto, não reverenciam a "versão judaica" presente Torá tanto. 7:144-144 A Torá no Alcorão é sempre mencionado com respeito no Islã. Os muçulmanos "crença na Torá, bem como a profecia de Moisés, é um dos princípios fundamentais do Islã.