Marcadores

segunda-feira, outubro 22, 2012

biografia Yara Lins(atriz)


                                                                                                Yara Lins
Yara Lins, nome artístico de Orasília Severina da Silveira, (Frutal, 26 de fevereiro de 1929 — São Paulo, 29 de junho de 2004) foi uma atriz brasileira.
Yara Lins foi o primeiro rosto a aparecer na televisão brasileira, isso exatamente no dia 18 de setembro de 1950. Ela foi convocada para dizer o prefixo da emissora: "PRF-3 Emissora Associada de São Paulo orgulhosamente apresenta, neste momento, o primeiro programa de televisão da América Latina".
fonte das imagens 
ASTROS EM REVISTA

Ela fez rádio por muitos anos e principalmente rádio-novelas. Começou na Rádio de Uberaba, em Minas Gerais, passando depois pela Excelsior, Nacional e Difusora de São Paulo. atriz e apresentadora. Como atriz seu primeiro papel foi na série "Rosas para o Meu Amor" em 1952.

Até hoje, Yara Lins só perde para a atriz Ana Rosa na quantidade de telenovelas, séries e seriados que participou na televisão. Seus melhores trabalhos foram em: TV de Vanguarda (na TV Tupi), O Sheik de Agadir (TV Paulista/Globo), O Terceiro Pecado (TV Excelsior), Beto Rockfeller (Tupi), Vitória Bonelli (Tupi), O Machão (Tupi), Pai Herói (Rede Globo), Rabo de Saia (Rede Globo), Selva de Pedra (Rede Globo), Kananga do Japão (Rede Manchete), Éramos Seis (SBT) e Laços de Família (Rede Globo). Faleceu aos 75 anos, devido a problemas relacionados à insuficiência respiratória. Ela tinha câncer e estava internada no hospital Oswaldo Cruz, em São Paulo.

Seu nome artístico é Yara Lins. Seu nome verdadeiro é Orasilia Severina da Silveira. “Diferente, não ? “ É ela mesma quem diz. 
Yara Lins é atriz. Foi o primeiro rosto a aparecer na tela pequena da Televisão Brasileira, no dia 18 de setembro de 1950. 
E de lá para cá, Yara Lins, atriz, nunca mais deixou de atuar. 
Ela é “a moça que veio de longe”, é ela ainda quem diz, parafraseando o nome de uma novela de sucesso, e para dizer que é moça da roça. Nasceu em Frutal, Minas Gerais, em 26 de fevereiro de 1930.

Certa vez, ainda bem garota, a filha de uma família de 5 irmãos, assistiu a um espetáculo de circo, e viu que aquilo tinha tudo a ver com ela. A parte do circo-teatro, a “pantomina”, mexeu com a garota, que sozinha resolveu vir para São Paulo, a grande capital. Em verdade já trabalhava um pouco na emissora de rádio da cidade de Uberaba.
Arranjando, porém, uma companhia, veio para S.Paulo, de onde nunca mais saiu. Foi morar num pensionato. Muito bonita, na verdade o que mais foi apreciado e elogiado nela foi a voz.

Fez rádio por muitos anos, rádio novela. Rádio de Uberaba, Rádio Excelsior, Rádio Nacional, Rádio Difusora de São Paulo. E aí veio a televisão. Começou na TV Tupi, a pioneira, depois foi para a TV Paulista, Globo, SBT, Bandeirantes. Yara Lins esteve em todas as principais emissoras e foi uma das pessoas que mais apareceu na tela da televisão brasileira. 
A princípio, por sua grande beleza e fotogenia, fazia os papéis de “ingênua”, quer dizer, o papel da heroína. 
Chegou a fazer programas do tipo Casal Romântico. Mas em seguida começou a fazer papéis mais ousados, mais difíceis, e até papel de “velha”.

Com o passar do tempo foi se tornando uma grande atriz, embora, como ela mesma diz, “nunca foi uma estrela”. 
Trabalhou também em teatro e cinema. Papéis sempre complicados. Chegou a fazer a “madrasta”, na peça em que Dercy Gonçalves fez a “Branca de Neve”. 
Foi casada e tem duas filhas: Mônica e Monaliza. Tem netos e bisneto. 
Por fumar muito, teve um cancer de pulmão.

Mas venceu a doença e a venceu “trabalhando” , fazendo novela no SBT.
Ganhou vários prêmios e nunca teve uma crítica desfavorável, nunca alguém viu defeitos em suas atuações. Só elogios.
Sobre si mesma diz Yara: “Sei ser amiga”.
E como fala final, para marcar seu depoimento, disse: “Nós merecemos o melhor da vida. Mas temos que dar à vida o melhor de nós”.
Olhos claros, cabelos castanhos, alta, magra, Yara Lins, é uma mulher, uma atriz, um ser humano da maior qualidade. Yara faleceu em 28 de junho de 2004.


 Na televisão
2000/01 - Laços de Família - Nilda (Rede Globo)
1999 - Sandy & Junior - (série - Rede Globo)
1997 - Uma Janela para o Céu - dona Rita (Rede Record)
1997 - Os ossos do barão - Lucrécia (SBT)
1995/96 - Sangue do meu sangue - Mariana (SBT)
1994 - Éramos seis - Dona Maria (SBT)
1993 - Contos de Verão - Dona Mariana (minissérie - Rede Globo)
1992 - As Noivas de Copacabana - Eulália (minissérie - Rede Globo)
1990/91 - A história de Ana Raio e Zé Trovão - Mãe Candinha (Rede Manchete)
1990 - La Mamma - (Rede Globo) - Giuseppina
1989/90 - Kananga do Japão - Zulmira (Rede Manchete)
1986 - Selva de Pedra - Berenice (Rede Globo)
1985/86 - Uma esperança no ar - (SBT)
1984 - Rabo de Saia - (minissérie - Rede Globo)
1983/84 - Vida roubada - (SBT)
1983 - Pecado de Amor - (SBT)
1983 - Acorrentada - dona Josefina (SBT)
1982 - A Força do Amor - Amália (SBT)
1982 - Avenida Paulista - Elvira (minissérie - Rede Globo)
1982 - Renúncia - Constância (Rede Bandeirantes)
1982 - As Cinco Panelas de Ouro - dona Trindade (TV Cultura)
1982 - Nem rebeldes, nem fiéis - (TV Cultura)
1982 - Caso Verdade

1980/81 - Um homem muito especial - Olívia (Rede Bandeirantes)
1979 - Pai herói - Irene (Rede Globo)
1978 - João Brasileiro, o Bom Baiano - Palmira (Rede Tupi)
1974/75 - Ídolo de pano - Magda (Rede Tupi)
1974/75 - O machão - Josefa (Rede Tupi)
1973 - A Volta de Beto Rockfeller - (Rede Tupi)
1972/73 - Vitória Bonelli - Madame Mercedes Moglianni (Rede Tupi)
1971/72 - O preço de um homem - Marcinha (Rede Tupi)
1970/71 - Simplesmente Maria - Mirtes (Rede Tupi)
1968/69 - Beto Rockfeller - Clô (Rede Tupi)
1969 - Era Preciso Voltar - Denise (Rede Bandeirantes)
1968 - O terceiro pecado - (TV Excelsior)
1967/68 - Os fantoches - Guiomar (TV Excelsior)
1966/67 - O sheik de Agadir - Valentina (TV Globo)
1966 - Eu compro esta mulher - (TV Globo)
1965 - Paixão de Outono - Verônica (TV Globo)
1965 - Aquele que deve voltar - Eugênia (TV Excelsior)
1965 - A Indomável - Débora (TV Excelsior)
1965 - A menina das flores - (TV Excelsior)
1964 - Melodia Fatal - Marlene (TV Excelsior)
1964 - Ilsa - (TV Excelsior)
1958 – Casa de Bonecas, pela TV Paulista, no programa “Teledrama Três Leões”, sob direção de Dermival Costa. Personagem:

 No cinema
1999 - Xuxa Requebra
1981 - Post Scriptum
1978 - O Jeca e seu filho preto
1977 - Tiradentes, o Mártir da Independência
1976 - Senhora
1972 - Geração em Fuga
1963 - Terra sem Deus