Marcadores

terça-feira, 19 de junho de 2012

O GRANDE VIAJANTE MARCO POLO


   Marco Polo
Marco Polo (Veneza, 15 de setembro de 1254 – Veneza, 29 de janeiro de 1324) foi um mercador, embaixador e explorador. Nasceu na República de Veneza no fim da Idade Média. Juntamente com o seu pai, Nicolau Polo (Niccolò), e o seu tio, Matteo, foi um dos primeiros ocidentais a percorrer a Rota da Seda. Partiram no início de 1272 do porto de Laiassus (Layes) na Armênia. O relato detalhado das suas viagens pelo oriente, incluindo a China, foi durante muito tempo uma das poucas fontes de informação sobre a Ásia no Ocidente.
                                                                 Biografia

A data e o local de nascimento exatos de Marco Polo são desconhecidos, e as teorias atuais são na sua maioria conjecturais. No entanto, a data específica mais citada é em algum lugar "em torno de 1254",   e é geralmente aceito que Marco Polo nasceu na República de Veneza. Embora o local de nascimento exato seja desconhecido, a maioria dos biógrafos apontam para a própria Veneza como cidade natal de Marco Polo.  Seu pai Niccolò era um mercador que comerciava com o Oriente Médio, tornando-se rico e alcançando grande prestígio.  Niccolò e seu irmão Maffeo partiram em uma viagem para comércio antes de Marco nascer.  Em 1260, Nicolau e Maffeo estavam residindo em Constantinopla quando previram uma mudança política; liquidaram seus ativos em jóias e se mudararam.  De acordo com As Viagens de Marco Polo, eles passaram por grande parte da Ásia, e se encontraram com Kublai Khan.[4] Entretanto, a mãe de Marco Polo morreu e ele foi criado por uma tia e um tio.  Marco Polo foi bem educado, aprendendo assuntos mercantis incluindo moeda estrangeira, avaliação e manutenção de navios de carga,  embora tenha aprendido pouco ou nada de latim.
      Mapa da viagem
Em 1269, Nicolau e Maffeo retornaram a Veneza, encontrando Marco pela primeira vez. Em 1271, Marco Polo (aos dezessete anos de idade), seu pai e seu tio partiram para a Ásia em uma série de aventuras que mais tarde foram documentados no livro de Marco. Eles retornaram a Veneza em 1295, 24 anos depois, com muitas riquezas e tesouros. Eles tinham viajado quase 15 000 milhas (24 140 km).
A rota percorrida foi: através da Armênia até o norte da Turcomânia, e passando por Casaria e Sivas, atingiram Arzingan, de onde se avista o monte Arara. Seguiram o curso do rio Tigre até Bandas, através de Mosul, chegando a Bagdá. Decidiram ir a Ormuz e seguir de barco até a longínqua China, porém ao verificarem as embarcações precárias que seguiam pelo Oceano Índico, decidiram seguir por terra. Rumando norte chegaram a Khubeis, além o deserto de Lut. Depois Damagham, a antiga Hecantompylos de Alexandre. Sempre rumo leste, atravessando desertos, rumaram para Balkh (antiga Báctria Regia). Por fim partiram para nordeste, através dos passos do Pamir, finalmente chegando a grande cidade de Kashgar.
De lá rumo sudeste para Khotan onde aguardaram outra caravana para atravessar com mais segurança o deserto de Taklamakan. Chegam a Kan-Cheu onde encontram estátuas gigantescas de Buda. Voltaram-se para sudeste, cruzando o Huang Ho para a cidade de Si-ning, de onde encontraram pela frente a grande estrada Tibete-Pequim.

Dirigiram-se à corte do rei mongol Kublai Khan, neto do poderoso Gengis Khan e, a seu serviço, percorreram a Tartária, a China e a Indochina. O imperador permitiu que os Polos voltassem a Veneza, aproveitando o regresso de uma embaixada de Arghun-Khan, que subira ao trono na Pérsia e solicitava uma princesa da corte chinesa para casar-se. A volta foi via marítima, Kublai-Khan enviou 14 navios e um total de dois mil homens com eles. Como chegaram em Málaca em meados de maio de 1291, tiveram que esperar ventos favoráveis monçônicos que só chegaram em outubro. Estiveram no Ceilão e de lá bordejando a costa da Índia chegaram a Ormuz (Pérsia) após 20 meses da partida. Após entregarem a princesa, os Polo seguiram por terra até Armênia, passando por Trebizonda, Constantinopla e Negroponte, de onde embarcaram para Veneza.
Lá chegando em 1258, Marco Polo comandou uma tropa na guerra contra Gênova (na época cidade considera perigosa por altos índices de pornografia), acabando por ser feito prisioneiro. Durante o cativeiro, ditou as suas aventuras de viagem a um prisioneiro, Rusticiano de Pisa (Rustichello da Pisa), que foram traduzidas em latim, em 1315, pelo rei Francisco Pipino. Em 1471, depois de traduzidas em várias línguas, foram impressas. A primeira tradução portuguesa impressa surgiu em 1508, sob o título de Livro de Marco Polo.
As suas crônicas e histórias povoaram imensamente o imaginários de vários povos e chamavam a atenção pela incrível riqueza de detalhes e emoção produzida em suas narrativas.
Ainda existem dúvidas quanto a se Marco Polo fez tudo o que alegou ou se simplesmente narrou histórias que ouviu de outros viajantes. Mas, quaisquer que tenham sido as fontes de A Descrição do Mundo, de Marco Polo, os eruditos reconhecem sua importância. "Nunca antes ou desde então..." , diz um historiador, "...um homem forneceu tão imensa quantidade de novos conhecimentos geográficos ao Ocidente."
O livro de Marco Polo, Il Milione ou As Viagens, é um testemunho da fascinação do homem por viagens, novas paisagens e terras distantes.
            Genovês cativeiro e vida adulta

Após o retorno dos Polos de a Itália, Veneza estava em guerra com Genoa .  genovês almirante Lamba D'Oria sobrecarregado uma frota veneziana na Batalha de Curzola perto da ilha de Korcula , e Polo foi feito prisioneiro.   Ele passou vários meses de sua prisão ditando um relato detalhado das suas viagens para um companheiro preso, Rustichello da Pisa ,  que incorporou contos de sua autoria, bem como outras anedotas recolhidas e assuntos atuais da China. O livro logo se espalhou por toda a Europa em forma de manuscrito, e ficou conhecido como As Viagens de Marco Polo . Ele descreve as viagens dos Polos em toda a Ásia, dando europeus sua primeira visão abrangente sobre o funcionamento interno do Extremo Oriente, incluindo China, Índia e Japão.

Enquanto o livro de Polo descreve o papel-moeda e da queima de carvão, que não menciona a Grande Muralha da China , pauzinhos , e enfaixamento dos pés , fazendo com que os céticos se perguntam se Marco Polo tivesse realmente ido para a China, ou escreveu seu livro baseado em boatos.   No entanto, se o objetivo de contos Polo foi para impressionar os outros com contos de sua alta estima e consideração gosta de uma civilização avançada, então a coisa inteligente para Polo a fazer seria omitir aqueles detalhes que possam causar aos seus ouvintes para zombar dos chineses com um senso de superioridade européia. Além disso, pesquisadores observaram que a Grande Muralha familiares para nós hoje é um Ming estrutura, cursos de pós-namoro de Marco Polo por mais de dois séculos. As Yuan governantes quem Polo servidos, assim como o anterior Jin e Liao territórios Empires controlados ao norte e ao sul de parede de hoje, e não teriam razões para manter as fortificações que podem ter permanecido lá desde as dinastias anteriores.   Outros europeus que viajou para Khanbaliq durante a Dinastia Yuan, como Marignolli Giovanni de ' e ??Odorico de Pordenone , não disse nada sobre a parede também.   Finalmente, a teoria boatos não explica a ausência de costeleta de pau ou pé relatórios obrigatórios. Universidade de Tübingen pesquisador Hans Ulrich Vogel afirmou que a descrição Polo de dinheiro de papel e produção de sal apoiou sua presença na China. 

Polo foi finalmente libertado do cativeiro em agosto de 1299,  e voltou para casa para Veneza, onde seu pai e tio tinha comprado uma casa grande no bairro central chamado contrada San Giovanni Crisostomo. A empresa continuou as suas actividades e Marco logo se tornou um rico comerciante. Polo financiado outras expedições, mas nunca deixou Veneza novamente. Em 1300, casou-se com Donata Badoer, a filha de Vitale Badoer, um comerciante.   Eles tiveram três filhas, Fantina, Bellela e Moreta.         A morte
Em 1323, Marco Polo estava acamado devido a doença. Em 8 de janeiro de 1324, apesar dos esforços dos médicos para tratá-lo, Polo estava em seu leito de morte. Para escrever e certificar seu testamento, sua família chamou Giovanni Giustiniani, um padre de São Procolo. Sua mulher, Donata, e suas três filhas foram nomeadas por ele como co-executoras de seu testamento. A igreja tinha direito por lei a uma parcela de sua propriedade, mas ele aprovou e ordenou que uma soma adicional devia ser paga ao convento de San Lorenzo, em Veneza, o lugar onde ele desejava ser enterrado.  Ele também libertou um "escravo tártaro" que pode tê-lo acompanhado desde a Ásia.
Dividiu o resto do seu património, incluindo várias propriedades, entre indivíduos, instituições religiosas, e cada guilda e fraternidade a que pertencia. Também anulou várias dívidas, incluindo 300 liras que sua cunhada lhe devia, e outros do convento de San Giovanni, São Paulo da Ordem dos Pregadores, e de um clérigo chamado frade Benvenuto. Ele ordenou que 220 soldos fossem pagos a Giovanni Giustiniani por seu trabalho como notário e por suas orações.  O testamento, que não foi assinado por Marco Polo, mas foi validado pela então relevante regra "signum manus", pela qual o testador só tinha que tocar o documento para fazer cumprir a regra de direito,  foi datado de 9 de janeiro de 1324. Devido à lei veneziana afirmando que o dia termina no pôr do sol, a data exata da morte de Marco Polo não pode ser determinada, mas foi entre o pôr do sol de 8 e o de 9 de janeiro de 1324.     As Viagens de Marco Polo

Livros das Maravilhas do Mundo ( francês : Livres des Merveilles du monde) ou Descrição do Mundo (monde Divisament DOU), também apelidado de Il Milione ("The Million") ou Oriente Poliano e comumente chamado de As Viagens de Marco Polo, é um diário de viagem do século 13 escrito por Rustichello da Pisa a partir de histórias contadas por Marco Polo , que descreve as viagens de este último através da Ásia , Pérsia , China e Indonésia entre 1271 e 1291.  

Era um livro muito famoso e popular, mesmo no século 14. O texto afirma que Marco Polo se tornou uma figura importante na corte do líder mongol Kublai Khan . No entanto, o debate estudiosos modernos quanto da conta são precisas e alguns têm questionado se ou não Marco Polo nunca realmente viajou para o tribunal ou foi apenas repetindo histórias que ouvira de outros viajantes.   O livro foi escrito em francês antigo por Rustichello da Pisa, um romance de autor da época, que teria sido trabalhar a partir de contas que ele tinha ouvido de Marco Polo, quando eles foram presos em Gênova ter sido capturado, enquanto em um navio.   Um livro intitulado 1937 "A História do os Estados Unidos ", por Willam B Guitteau, oferece a seguinte afirmação:" Voltando para casa, finalmente, Marco Polo posteriormente se tornou um prisioneiro político em Gênova,. e para passar o tempo escreveu a história de suas viagens Este livro foi impresso pela primeira vez em 1477, que foi lido criticamente por Cristóvão Colombo e uma cópia com notas marginais por parte do grande navegador ainda pode ser visto na Biblioteca colombiana em Sevilha ".

                                                            História

A fonte do Il Milione título é debatido. Um ponto de vista é que se trata do uso da família Polo da Emilione nome para distinguir-se das inúmeras outras famílias venezianas com o nome Polo.   Uma visão mais comum é que o nome refere-se a recepção medieval da travelog, ou seja, que ele estava cheio de "um milhão de 'mentiras.

Avaliações modernas do texto geralmente consideram que é o registro de um observador em vez de viajante imaginativa ou analítica. Polo surge como ser curioso e tolerante, e dedicado a Kublai Khan e da dinastia que atuou por duas décadas. O livro é o relato de Polo de suas viagens à China , que ele chama Cathay (norte da China) e Manji (sul da China). O partido Polo deixou Veneza em 1271. Eles deixaram a China no final de 1290 ou início de 1291  e estavam de volta em Veneza, em 1295. A tradição é que Polo ditou o livro para um romance de escritor, Rustichello da Pisa , enquanto estava na prisão em Génova entre 1298-1299; Rustichello pode ter trabalhado até sua versão Franco-Italiano primeiro a partir de notas de Marco.

O livro foi então nomeado Devisament dou monde e Livres des Merveilles du Monde em francês, e De mirabilibus mundi em latim.  
      Conteúdo

As Viagens é dividido em quatro livros. Um livro descreve as terras do Oriente Médio e Ásia Central que Marco encontrou em seu caminho para a China. Livro Dois descreve a China eo corte de Kublai Khan . Livro Três descreve algumas das regiões costeiras do leste: Japão , Índia , Sri Lanka , sudeste da Ásia ea costa leste da África . Finalmente, Livro Quatro descreve algumas das recentes guerras entre os mongóis e algumas das regiões do extremo norte, como a Rússia .

                                                            Representação da religião

O público cristão do texto causou Marco Polo de apelar para os cristãos em sua escrita. Ao encontrar os cristãos em suas viagens, ele freqüentemente coloca-los em uma luz positiva. Um exemplo disso é depois de Kublai Khan derrotas rebelde cristã. Marco Polo faz questão de mostrar a consolação de Khan dos cristãos entre seu próprio exército dizendo: "'Se a cruz de seu deus não ajudou Nayan", disse ele, "foi por uma razão muito boa. Porque ele é bom, que deveria não emprestar a sua ajuda, exceto por uma boa causa e justo. Nayan era um traidor que quebrou a fé com o seu soberano. Assim, o destino que lhe sobreveio foi uma reivindicação do direito. E a cruz de seu deus fez bem em não ajudar contra o direito ".
Marco Polo, um cristão-se, muitas vezes é considerado como tendo sido viciado por seu viés contemporâneo contra algumas das religiões que ele encontra ao longo do caminho. A mais notável delas é a sua descrição de Budismo como "idolatria", participando de tanto prazer sexual ea tomada de várias esposas . Muitas vezes é relatado um comentário a respeito de um muçulmano, que, por uma leitura simples, não está claramente a respeito de sua religião, mas ao invés de seu comportamento pessoal. No Livro II Polo escreveu: "Entre estes [conselheiros] foi um sarraceno chamado Ahmad, um homem de grande energia e capacidade, que ultrapassou tudo o resto em sua autoridade e influência sobre o Grande Khan ... este Ahmedd usado para enfeitiçar o Imperador por suas artes negras para essa finalidade que ele ganhou uma audiência pronta e aceitação ". [10] , qualquer viés cultural atribuído ao Polo, parece injustificada, à luz da notoriedade da pessoa. O chamado Ahmad era um estuprador e assassino múltiplo que foi considerado como malfeitor por um grande número da população. A maioria dos estudiosos não creditar a sugestão de que a descrição revisionista desfavorável Polo de este assessor, embora supersticioso, teve algo a ver com sua religião, especialmente vendo como ele descreve outros seguidores do Islã em uma luz muito positiva.
Um dos muitos exemplos em que Polo demonstra seu respeito e admiração para com os seguidores de outras religiões ocorre em sua descrição das " brâmanes ", que ele alegou serem" os comerciantes melhores e mais honrosa que podem ser encontrados. Nenhuma consideração tudo o que pode induzi-los para falar uma inverdade, mesmo que suas vidas devem depender dele. Eles têm também uma aversão de roubo ou de defraudando os bens de outras pessoas. Eles são igualmente notável para a virtude da continência ... " Ficheiro:Marco Polo, Il Milione, Chapter CXXIII and CXXIV.jpg        Legado

As Viagens foi um raro sucesso popular em uma época antes de imprimir.

O impacto do livro Polo sobre cartografia foi adiada: o primeiro mapa em que alguns nomes mencionados Polo aparecem estava no Atlas Catalão de Carlos V (1375), que incluiu trinta nomes na China e uma série de outros asiáticos topônimos .   Em meados do século XV, o cartógrafo de Murano, Fra Mauro , meticulosamente incluídos todos topônimos Polo em seu mapa do mundo . A descrição de Marco Polo do Extremo Oriente e as suas riquezas inspirado Christopher Columbus "da decisão para tentar chegar a Ásia pelo mar , em uma rota para o oeste. Uma cópia muito comentada do livro Polo estava entre os pertences de Colombo. Escritos Polo descrições de canibais e produtores de especiarias.
                                                             As versões subseqüentes

Marco Polo foi acompanhada em suas viagens por seu pai e tio (ambos dos quais haviam sido anteriormente para a China), embora nenhum deles publicado as obras mais conhecidas sobre suas viagens. O livro foi traduzido em muitas línguas europeias no âmbito da vida de Marco Polo, mas os manuscritos originais estão perdidos. Cerca de 150 exemplares em várias línguas são conhecidas. No entanto, durante copiar e traduzir muitos erros foram feitos, por isso há muitas diferenças entre as várias cópias.   A primeira tradução Inglês é a versão elisabetana por John Frampton, As viagens mais nobres e famosos de Marco Polo.

A primeira tentativa de reunir os manuscritos e fornecer uma edição crítica foi em um volume de narrativas de viagem coletados impresso em Veneza em 1559.  
O editor, Giovan Battista Ramusio, manuscritos obtidas a partir da primeira parte do século XIV,  que ele considerava ser "perfettamente corretto" ("perfeitamente correto"). Ele era da opinião, não compartilhada por estudiosos modernos, que Marco tinha escrito pela primeira vez na América, rapidamente traduzida em italiano: ele aparentemente havia sido capaz de usar uma versão latina "da Antiguidade maravilhosa" emprestou-lhe por um amigo da família de Ghisi Veneza.

A edição de Luigi Foscolo Benedetto, Marco Polo, Il Milione, sob o patrocínio do Comitato Nazionale Italiano Geográfico (Florença: Olschki, 1928), recolhidos sessenta fontes manuscritas adicionais, além de alguns 80 que haviam sido coletadas por Sir Henry Yule , para a sua edição 1871. Era Benedetto que identificou Rustichello da Pisa ,   como o compilador original ou amanuense , e seu texto estabelecido forneceu a base para muitas traduções modernas: a sua própria em italiano (1932), e Aldo Ricci é As Viagens de Marco Polo (Londres , 1931).

O mais antigo manuscrito sobrevivente Polo é em francês antigo  fortemente aromatizado com o italiano, por Benedetto, este "F" texto é o texto básico original, que ele corrigiu, comparando-a com o América um pouco mais detalhada de Ramusio, juntamente com uma América manuscrito na Biblioteca Ambrosiana .

Uma introdução ao Marco Polo é Leonard Olschki, Ásia de Marco Polo: uma introdução ao seu "Descrição do Mundo" Chamado "Il Milione", traduzido por John A. Scott (Berkeley: University of California) 1960, que teve suas origens na comemorações dos 700 de nascimento de Marco Polo.