Marcadores

sexta-feira, maio 04, 2012

ALMA ESCRAVA


                                     

ALMA   ESCRAVA

                             

                              “Por que, meu Deus, a carne inda me prende,Por que me arrasto como um triste duende,Em miserabilíssimos despojos?”Era o ser encarnado que falava,Amarguradas queixas da alma escrava,No mais horrendo dos martirológios.       Como pude descer nos labirintos,Onde os lobos vorazes dos instintosNos consomem nos dentes esfaimados;E por que idealizando puros gozos,Busco na carne abismo tenebrosos,Abominado todos os pecados?“ “Sou no mundo um fantasma solitário,Só porque, um dia, um espermatozoárioUniu-se, ansioso, ao óvulo fecundo.E emergindo as ânsias e dos partos,Suguei, unindo a boca a uns seios fartos,Substâncias misérrimas do mundo...” “Desde esse dia tormentosos e aflitoDe intensa dor, envergo o sambenitoDe matérias iguais aos polipeiros,Entre as disposições hereditárias,Chorando as mesmas dores milenáriasDos que gemeram nesses cativeiros!” Nada, contudo, lhe respondeu, de perto...A alma, porém, sozinha, no deserto,Viu sobre o mundo um monte de destroços;Sentiu, no além, a vida verdadeira,Mas contemplando, pela Terra inteira,A carne infame, chocalhando os ossos!...


  Augusto Dos Anjos